quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

O Abraço que ficou para sempre...







Mães não morrem... Ficam, de repente, encantadas, como dizia o poeta das "Rosas".

A janela da moça assiste às buscas da alma,
 dos olhos esverdeados,
Estrelas de Esperança!

A moça da janela, agora, de lá, reflete a essência pura da existência de cá...
Pantou exemplos de amor, dedicação, fé, retidão! 
A grande guerreira, Maria das Dores, que de "Dores" não tinha nada, 
foi e continua sendo " Maria Vitória"!

Como amava ser tratada assim...

Virou Estrea maior, com brilho mais intenso. 
Das nuvens continua tecendo agasalhos de afetos, 
a resguardarem do frio, dos ventos fortes, e da solidão, 
a quem o amor será eterno...
Dos altares, entoa cânticos angelicais. 
Trocou o violão por novos instrumentos, bem mais afinados, 
canta louvores...

Tarefeira incansável aos afazeres em prol da evolução,
parceria divina!

Moça da janela, mãezinha maravilhosa, luz do amor!

Eternas saudades... 




Maria das Graças Araújo Campos, 13/12/2017



Olhar sonhador à rua calma, vazia
Torna-se inquieta e cheia
Mundo real e fantasia
Debruça seus braços,
Vê um mundo
De sonhos dourados
A moça da janela de madeira maciça
Tão forte e tão ampla
Quanto os pensamentos viajores
Que se vão ao longe...
A janela da moça assiste às buscas da alma
Dos olhos esverdeados,
Estrelas de esperança
Ali desfila universo de desejos
Anseios de menina - mulher
Contando as horas,
Esperas transformadas
Futuros e eternos amores...
O hoje amanhecido orvalhado
Brilhante derretido pelo sol
Registra a passarela centenária
Sustento dos passos cautelosos
Na postura sensata de seu caminhar
A janela da moça
A moça da janela
Quimera!
Contou pedra por pedra
Os desiguais pés-de-moleque
Em suas sendas
Fortaleceu a construção de sua sina
Ensaiou as primeiras primaveras
E coloriu de azul o amor
Em voo livre de ser além do tempo
À ternura do olhar colhe estrelas
Até aquietar-se a colher flores
Em paisagens ousadas
Imaginário incontido das noites
De um céu feérico de luar
De serenas madrugadas
Encantos em serenatas
Áureas e frescas manhãs
Em clara face aveludada
Da flor mais bela
E mais amada
A moça da janela!...
(A seu lado, a conselheira D. Esperança contendo as emoções da vida!)
Maria das Graças Araújo Campos
CAMPOS, Graça. Poema. A moça da janela.
Poema dedicado a minha mãe, linda e amada! Dos Anos 50.




Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

NOTURNA LUZ


NOTURNA LUZ

Esplêndida flor
acorda emoções,
tamanha perfeição
na rua das flores...
Descalços,
moradores abrem os portões,
acendem, nos olhares,
o riso que convida a contemplar
a arte divinal da floração!


G GraçaCampos /11/12/2017





Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

terça-feira, 24 de outubro de 2017

DAS VIVÊNCIAS (Dos sonhos tenros aos fios de seda)

DAS VIVÊNCIAS
(Dos sonhos tenros aos fios de seda)

DAS VIVÊNCIAS
(Dos sonhos tenros aos fios de seda)
Noite!
Há nos sons do silêncio, o toque harmonioso de harpas entre nuvens da alma que se inspira na intensa voz do coração... Sementes se desprendem das notas musicais, aninham-se nas covas naturais do solo fértil da imaginação.
E ganham verticalidade!
Havia um tempo... Havia um vento de varrer farelos, havia água de lavar as faces, havia sorrisos e lágrimas salgadas, mas havia cheiro noturno de rosas, e molhos de outras flores ajeitadas nos buracos das fechaduras. Havia uma porta que se fechava pouco depois de o sol se pôr! E acendiam-se as luzes da cidade, essas mais pareciam tomates madurinhos refletindo, nos pés de moleque, a sombra dos primeiros saltos altos em dias de festa!
Madrugadas de serenatas davam brilho de estrelas aos ouvidos surpresos, dispersando dúvidas dos escuros murais das ideias. Alegria aos amores puros, flutuantes em sonhos de viver amor e amar!
Adolescência mais que desafiadora, de arrepiar os poros, dizia-se: É... É sensibilidade!
Mais que isso: Aonde vem e mora a magia dos sentidos do nascer dos ciclos e das fascinantes descobertas. Descobrir o medo, os véus da virgindade, os segredos da sexualidade naturalmente.
A vida desperta outros tons e partituras, crescem meninas e meninos mergulhados ou não em suas percepções e conflitos bem próprios da idade!
Relampeja, troveja, chove tempestades em copos d’água! Chove literalmente, e chovem chuvas de emoções e dúvidas. Passo a passo, nos riscos e nas certezas, a vida segue!
Dia!
Gritam as obrigações e morrem as “selenas” em seus quartos minguantes. Vivem as noções entre um mistério e novas luas!
Presas as canções que se evocam do âmago. Mar bravio de náufragos atropelando desejos. Desejos tais que atingem como flechas, as “escolhas” por questões externas. E, por aí, se vai redescobrindo na nudez, em fantasias, devaneios, maresias, o sentido real de ser e estar aqui e agora!
No entanto, a natureza humana, em constantes buscas, percorrendo sendas, explorando os mais íntimos espaços, integra novidades, cada vez mais, em seus degraus e graus de evolução!
Do amor: Já se nasce amando à moda de sobrevivência! Aprende-se o amor, disciplina- o ou complica-o!
Conquista-se, perde-o, encontra-o ou desencontra-o! Mas o amor é centelha divina! Se adormece, se entristece, é só tecer de afetos a vivência, será possível achá-lo.
Haverá vento de varrer as teias fúteis dos pensamentos, e água de lavar as faces maquiadas e risos de alma lavada. À porta antiga de madeira maciça, abrir-se-á o amanhecer de sol, de chuva mansa, acordando a vida com suavidade, musicando gratidão!
Fio por fio dos cabelos, a melodia há de pentear toda a essência desde a infância que se soma ao adolescente, construtor de mil viagens, do adulto em sobressaltos à idade maior onde retoma-se, no íntimo, a trajetória inspiradora, matriz do real ensejo de nossa identidade!



Maria das Graças Araújo Campos, Santo Antônio do Itambé MG/ Brasil.
24/10/2017

Graça Campos.


Imagem Google.Pedra Labradorita

Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Meus fãs e também ídolos!

" Eu fico com a pureza da resposta das crianças, 
é a vida, é bonita e  é bonita!"... 
Gonzaguinha.

É de se contemplar a pureza das artes das crianças!
Que imensidão apreendo com meus pequenos artistas que, 
de pequenos, 
só mesmo a estatura física...
As experiências tornam-se riqueza de informação e valorização 
da capacidade e habilidade do outro.
O fazer pensar, exercitar, excitar, refletir, descobrir, 
buscar o novo, torna-se mágico, incrível momento da percepção!
São apaixonantes os pequerruchos!
Meus fãs e também ídolos!





É de se contemplar a pureza das artes das crianças!
Que imensidão apreendo com meus pequenos artistas que, de pequenos, só mesmo a estatura física...
As experiências tornam-se riqueza de informação e valorização da capacidade e habilidade do outro.
O fazer pensar, exercitar, excitar, refletir, descobrir, buscar o novo torna-se mágico, incrível momento da percepção!
São apaixonantes os pequerruchos!

Meus fãs e também ídolos!




É de se contemplar a pureza das artes das crianças!
Que imensidão apreendo com meus pequenos artistas que, de pequenos, só mesmo a estatura física...
As experiências tornam-se riqueza de informação e valorização da capacidade e habilidade do outro.
O fazer pensar, exercitar, excitar, refletir, descobrir, buscar o novo torna-se mágico, incrível momento da percepção!
São apaixonantes os pequerruchos!

Meus fãs e também ídolos!





Graça Campos, 05/10/2017.

Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.