sábado, 8 de agosto de 2009

Caminheiro




Tela e Poema: Graça Campos

Ei, Caminheiro!
És tu mesmo que
Escutas minha voz...
Estou aqui a te ver passar
A registrar a vida desfilando em nós...
Quanto és seguro ao pisar...
Estás a me guiar?
Escuta, Caminheiro!
És tão calado assim?
Fala! Quero ouvir a tua voz
Que, sabiamente, já ressoa tal qual o teu andar...
Por onde andaste, deixaste fortes e silenciosas marcas.
És misterioso, veloz...
Mas tamanha é tua calma!
Oh, sereno Caminheiro,
Segue teu trajeto
Que eu, sorrateira, vou seguindo o rastro
Para, então, saber que nesse teu silêncio,
Muito além de ouvir
Posso entender, mil palavras ler
E a esse encontro, vou chamar de PAZ!...

Ei, Caminheiro!

Poema publicado em sites e jornais. Belo Horizonte, MG.Brasil.

Todos os direitos reservados ao autor. Não autorizada cópia. Indique a leitura através deste site: http://gracacampos.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário