terça-feira, 30 de março de 2010

AMAR o MAR

Amar... O Mar... Foto da jornalista e escritora Luciana Campos
(Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, 2009 RJ)



Todos estão convidados! Prestigiem!

Parque Municipal Renne Gianetti - Exposição Fotográfica
De 07/03/2010 a 15/04/2010 - Entrada Franca
Amar... O Mar... Foto da jornalista e escritora Luciana Campos
(Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, 2009 RJ)

Publicado por Graça Campos em 30/03/2010. T

gracacampos.blogspot.com

Ondas de Minha Vida

Foto: Regina Mello

Ondas de minha vida

Minha paixão é o Mar.
Amo este gigante das águas
Às vezes desconheço o motivo de tamanha adoração!
Vez em quando, penso ser pela imensidão,
Pela cor azul, por sua inquietude...
Pela beleza incansável aos nossos olhos...
Motivos não me faltam...
E, sinceramente, nem careciam tantos...

O Mar, soberano e humilde por colocar-se
a alguns centímetros abaixo dos rios,
recebe o desaguar da vida...

Talvez por isso eu entenda tão bem as ondas de minha vida...
Nasci sabendo que esta trajetória viria em fortes ondas...
Este já é um importante passo, RECONHECER...

E nada como uma onda, após outra onda, depois de outra onda...
Olho para frente neste momento,
o mar está lindo!
É, sem dúvida alguma, a maior beleza
que meus olhos já puderam fitar...

Contemplo o horizonte, o balançar delicioso das águas,
O aroma e a brisa inconfundíveis.
Talvez eu devesse clamar por calmaria, mas não!
Peço que seja assim, exatamente assim.
Olho mais uma vez e respiro profundamente.
Esta é a única preparação permitida
Para a próxima chegada...
Outra grande onda se aproxima...

CAMPOS, Luciana. As Ondas de Minha Vida, Poema, Agosto de 2009.Publicado em Mural dos Escritores http://muraldosescritores.ning.com/profiles/blogs/ondas-de-minha-vida e neste blog gracacampos.blogspot.com

Publicado por Graça Campos. Todos os direitos reservados ao autor. Indique a leitura deste blog.


domingo, 28 de março de 2010

A Bacia, o Rio, o Aquário Gigante

"Ninguém se banha duas vezes no mesmo rio." (Heráclito)

Créditos das Fotos: Luciana Campos Março/2010.

VIDA NOVA AO RIO SÃO FRANCISCO

Belo e forte, saudável e rico foi, um dia, o rio que se enfraqueceu e ficou carente causa das ações doentias e covardes. Sofreu pelas atitudes agressivas e descontroladas regidas pela ignorância da própria sorte da sobrevivência humana.
O rio desbotou, desarrumou-se, mudou de cor e os peixes se afogaram em lamas, seu leito acordado gemia confuso e estressado.

As águas se recuperam?

Gota a gota, em consciências e consciências. Mais fértil é o desejo do rio de seguir... O rio quer seguir seu curso.

Os caminhos que andam fartos de abusos reencontrem forças e sejam novamente, viajantes no tempo, repletos de vida, berçário de peixes, de plantas e acordem apenas com sorrisos pescadores, o respeito dos nadadores, com os apitos dos navios, o mergulho dos bichos, acrobacias dos peixes, a crença nas crenças da vida por si!

Graça Campos, 28/03/2010. Publicado em http://sosriosdobrasil.blogspot.com/2010/03/cantinho-literario-o-velho-chico.html



Créditos da Foto: Luciana Campos

A Lenda da Origem do Rio


Vivia entre os índios de várias tribos felizes, uma linda mulher, a doce Iati, noiva de um forte guerreiro. Houve uma guerra nas terras do norte e todos os guerreiros se foram para a luta. Ao andarem,seus passos afundaram a terra formando um grande sulco. Dentre eles, encontrava-se o noivo da bela índia que, tomada de saudades do amado, chorou copiosamente. Foram tantas as suas lágrimas que escorreram pelo chapadão,se despencaram do alto da serra formando uma linda cascata, que caiu no sulco criado pelos passos dos guerreiros, escorreu para o norte e lá muito longe se derramou no oceano, e assim se formou o rio São Francisco.


Seu descobrimento é atribuído ao navegador genovês Américo Vespúcio, que navegou em sua foz em 1501. O nome é homenagem a São Francisco de Assis, festejado naquela data. A 4 de Outubro de 1501, uma expedição de reconhecimento descia a costa brasileira, rente ao litoral, comandada por André Gonçalves e Américo Vespúcio e vinda do Cabo de São Roque. A região da foz era habitada pelos índios, que a chamavam Opará, que significa algo como “rio-mar”.

As Carrancas

As carrancas são manifestações genuínas da arte popular brasileira que desenvolveu-se na região do rio São Francisco, por artistas populares denominados carranqueiros.
Pensando em criar uma identidade própria para as embarcações que navegavam pelo rio São Francisco, artistas esculpiam enfeites de proa. Esses elementos de decoração sempre representavam uma escultura de cabeça e pescoço de alguma figura, que misturava traços humanos com traços animais e apresentava uma expressão de figura mitológica indeterminada e de grande impacto, dando origem à arte das carrancas. Hoje, essa arte popularizou-se.
Podemos encontrar as carrancas não apenas nas proas das embarcações do São Francisco, como simples enfeite, mas tornou-se um disputado elemento de decoração e parte do acervo de museus nacionais e estrangeiros, sendo suas peças de grande valor de comercialização para turistas. O artista que mais se destacou nessa arte foi Francisco Biquiba Dy Lafuente, o Francisco Guarany, pois foi o único artista carranqueiro que viveu exclusivamente da produção de carrancas.



Foto por Luciana Campos

Aquário da Prefeitura-Bacia do Rio São Francisco

A riqueza da Bacia do Rio São Francisco poderá ser apreciada de perto na Fundação ZOO-BOTÂNICA de Belo Horizonte. Para receber os peixes, foi realizada uma sofisticada ambientação com pedras, areia e cascalho, pedaços de madeira curtidos, além de plantas aquáticas. A maior atração do complexo é o "AQUÁRIO SÃO FRANCISCO", . Os visitantes têm a impressão de ver a estrutura de níveis que compõem um leito de rio, com gradação de cores e texturas. O local conta com infraestrutura composta de auditório, jardins, laboratório, lagoa, lanchonete e lojinha.


" Ao visitar o AQUÁRIO, tive a oportunidade de conhecer outras espécies de peixes e obtive várias informações sobre o "VELHO CHICO".

gracacampos.blogspot.com
Obrigada pela visita!


segunda-feira, 22 de março de 2010

Trem de MINAS LEOLEO no TEATRO

Oi, pessoá!


O "TREM DE MINAS" vai sê lá no Tiatro Nossinhora das Dor!
Ê trem bão é uma prosa animada à beira do fogão à lenha, sô! É mineiridade purinha!
Trem de Minas é uma comédia que apresenta costumes e tradições, linguagens e trejeitos da nossa gente, por meio de vários personagens da nossa cultura. É um trem bão demais da conta, uai!
Inté lá!

Dias 26, 27 e 28 de março de 2010 – (6ª e sáb. às 20h30 e dom. às 19h.)
Classificação: Livre
Dramaturgia: Leo (Leonildo) e Leo (Leosino)
Direção e atuação: Leo e Leo
Duração: 70 minutos
Ingressos: No Teatro - Inteira: R$30,00 e Meia: R$15,00
Antecipado : R$15,00 (contatos abaixo)
Teatro N S das Dores: Av. Francisco Sales, 77 - Floresta - BH-MG (entre a Rua Sapucaí e a Rua Itajubá)

Trajetória: Leo e Leo, gêmeos, da cidade histórica de Serro-MG, escritores, poetas, diretores e atores, com 15 livros editados, dez peças produzidas e apresentadas em várias cidades de MG, BA, ES e SP, um curta gravado no RS, Dois Coveiros – Curta, 35mm, 13 minutos, selecionado nos seguintes festivais e mostras: Mostra Gaúcha do 36º Festival de Gramado/2008; 19º Festival Internacional de Curtas de SP/2008 (ago/08); 3ª Mostra do Curta Fantástico de São Paulo, de 11 a 16/11/08; Festival do Filme Livre do Rio de Janeiro, 22 de abril de 2009, CCBB Centro Cultural Banco do Brasil-RJ; Mostra do Curta nas Telas de Porto Alegre-RS, abril de 2009; Cineport Festival de Cinema de Países de Língua Portuguesa, em João Pessoa-PB, maio/2009; Festival de Cinema Guarnicê, em São Luís-MA, de 17 a 21 de junho de 2009; Festival Câmera Mundo, de Rotterdam/Holanda, 26 a 28 de junho de 2009, também participaram da Campanha de Popularização do Teatro de Belo Horizonte, em 2008, com a comédia Doidos Demais.
Confirme os ingressos pelos contatos abaixo:
leoleoteatro@yahoo.com.br e leolivros@hotmail.comwww.leoleo.com.br(31) 9950-3617 e 9673-1508 (Leo e Leo)

Aos atores LEO LEO




Leos, queridos:
Não foi por acaso que vocês nasceram gêmeos. Quando Deus permitiu que viessem juntos dois meninos, com certeza, a dose dupla dessa originalidade geraria sucesso nos compromissos assumidos.
Juro que me emocionam todas as vezes que ouço as suas histórias e /ou assisto às peças de teatro quando essas duas “crianças” inspiradas que usam asas enormes, transpiram cultura, preservam tesouros em suas sensíveis e fortes personagens... Que contagiam e fertilizam a imaginação de quem os vê no palco e eu simplesmente viajo.
Aos poetas, esses cantam versos e encantam o mundo... Falam verdades nas entrelinhas e rasgam o verbo, se preciso.
As minúcias preciosas representadas nos palcos acendem o fogo sagrado, nutrindo a alma humana.
Aposto, Leos, quando as personagens vão dormir, sonham agradecidas. Umas choram de felicidade, outras riem de felicidade também.
Assim os meninos alados, talento, cultura e arte vão aos quatro cantos do mundo levando a própria vivência... Os meninos – homens do teatro, do cinema, da poesia, da soma de todas as artes, representadas por vocês em cada encontro maneiro de ser...

Parabéns, Leos! Leonildo e Leosino.
Estou orgulhosa de vocês!

Graça Campos
Poetisa, artista plástica e professora.

quarta-feira, 17 de março de 2010

Borboletas Outonais



Imagem do Google



As tardes frias pintam
Aquarela em ouro velho
Vai-se o verão deixando rastro
Abrindo espaço dourando chão
Mesclam castanhos e avermelhados
Cambaleando
Uma
por
uma
Secas estalam no imenso tapete
Leves ao sopro final
Desfazem-se pálidas, opacas
Ao chão
Disperso algum fio de vida
Recebe em carícias doce orvalho
E exala derradeiro suspiro

As folhas morrem...

Oh, natureza sábia
Fonte perene de inovações
Vida após vida essas outonais
Macias, úmidas folhinhas
Metamorfose pura do cio da terra
Misturando em cores viram borboletas
Nova aquarela em flor de outras primaveras...




Graça Campos, 17/03/2010.
Todos os direitos reservados ao autor. Indique a leitura deste blog.

terça-feira, 16 de março de 2010

Andorinhas


Créditos na foto




a antena de TV se inclinou
espiando roteiro de viagem
passarinham andorinhas em pencas
despencando...
e de novo as pencas se veem
penduradas no fio elétrico
cochichando na torre
e a descansar no beiral...

andorinhas das chaminés
tratado de migração
amigas fiéis
em bando se vão

vão por aí no outono
exímias voadoras
fugitivas do inverno

cadê as andorinhas
coro de irmãs
confreiras de um só refrão?

retornam em novo verão
em revoada...



Graça Campos Belo Horizonte, 17 de março de 2010.
Todos os direitos reservados ao autor.

sábado, 13 de março de 2010

PAZ e POESIA

P ortal de Luz
A rcos Transcendentes
Z éfiro campestre

E lo Multicolorido

P alavras ao Vento
O ndulantes Pétalas Que Flutuam
E ncontro Divino
S uave Brisa Entre Raios de Sol
I luminando um novo Mundo
A mor e Paz
Graça Campos
Todos os direitos reservados ao autor. Indique a leitura deste blog.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Desejo de Paz


Imagem do Google



Coração cria o bem
Serena / mente
Estrutura emoções
Transpondo o curso do egoísmo
Em ações de LUZ!

P az universal
A mor entre os seres
Z elo pelo irmão

Pequenos gestos cuidadosos
Operam milagres
E m todo o planeta
Solidariedade
Igualdade
Amor...

P az nas águas, nos solos, nas inteligências
A brigo da mansidão dos corações
Zênite... Sagrado instante!...


Graça Campos Belo Horizonte, 10/03/2010.
Todos os direitos reservados ao autor. Indique a leitura deste blog.

sábado, 6 de março de 2010

A mulher que passa...


Olha a mulher que passa
Por inteiro mulher
Que se tornou madura,
Mas tem no coração a meiguice de menina...
Bela se arruma se enfeita,
Sensual, sem exageros.
Auto-estima de bem-viver!

A mulher que passa, olhares tantos encanta!
Sua imagem, cheiro e andar
São mistérios de momentos
Ninguém sabe desvendar...
No balanço cadenciado vão-se os quadris e os seios...

Olha a mulher que passa com marcas fortes do tempo
Cada traço uma história, um cuidar, um sentimento.
Os anseios, corre-corres, intempéries e as conquistas
Traz em seu rosto sereno, um sorriso acolhedor
Sábia, cultua mais que zelo exterior
Convicta de que o feminino vai além de uma estampa.

Sensualidade não se compra
Nem tampouco se encomenda
É da própria natureza!
Não existe cirurgia que possa com tal beleza...
Deve ser vaidosa sempre na medida certa
A escravidão da alma deteriora o corpo
Por mais que seja perfeito...


Graça Campos

sexta-feira, 5 de março de 2010

PLENO HOJE

Imagem do Google



Sou única
Sou muitas
Sou todas!
Sou apenas eu, mulher...

Corre em minhas veias um rio caudaloso
De riquezas ao longo das corredeiras.
Sou menina, mulher,
Mãe, filha, avó...

Vivi em tempos remotos
E sobrevivo às tempestades
Desde sempre sou à frente
Desejando a igualdade
Mito, realidade, flor-de-lótus

Sou doçura temperada
O grito de alerta, o amor
Silêncio, acalanto e paz
Detalhadas observações
De casulo a missionária


Entreteço, entrelaço , faço
Valer a pena, a tinta, o sangue, o suor
O riso, a lágrima, a dor...

Tenho sede!
E busco a saciedade
Em fonte iluminada de conquistas...
Não sou melhor no gênero nem pior

Sou parceira
Diferente
Sou MULHER!






Graça Campos



Todos os direitos reservados ao ao autor. Indique a leitura deste blog.

quinta-feira, 4 de março de 2010

VISUAL

"Mulher em frente ao espelho" Picasso 1932




Cabelos impecáveis em cachos dourados
A cada dia um novo penteado
E lá vou eu em pensamentos mil
Negra nuvem tempestuosa
Que dá para as janelas de minha alma
E chove chuva derretendo plúmbeo céu
De coração magoado que despedaçado
Dói por desregrado amor

Dos brincos e colares jóias raras
Há lápides de muitas amarras
No rosto de semblante mítico
A máscara disfarce de um riso
Um colo frio, mais parece um palco
Intocável, vazio, sem platéia
Mãos finas, aparentes delicadas
Incapazes de ler as próprias linhas
Embutidas na insegurança
Corpo perfeito por aí afora
Desfilo pela vida

Oca oca oca vida


As previsíveis marcas vêm surgindo
A ilusão das aparências evidentes
Eu preciso livrar-me dessa sombra
E trazer à tona o brilho do meu SOL
Assim vou me reconhecer de corpo e alma
Na frente do espelho...



Graça Campos.
Todos os Direitos reservados ao autor. Indique a leitura deste blog.

Os LILASES da Fábrica


Pintura a óleo 2001 Título: "A Fábrica"
Homenagem às Mulheres Manifesto de 1857 / USA.


Os lilases da fábrica

Silêncio!
Hoje, só por hoje
As máquinas estão paradas
Mudas... Frias...
Há um silêncio a ouvir nossos apelos
Atiçaram o fogo, queimaram nossos cabelos
Nossas cabeças estão intactas
As vestes foram despedaçadas
Os sonhos continuam inteiros
A fumaça atingiu as mais altas camadas
Em pleno feitio de vestes lilases
A imensa rosa púrpura em chamas
Levou para os céus os modelos do dia

Novo hoje!
Esplêndido manifesto em outdoor
Em espaços múltiplos ostentam
De corpo e alma emoldurada
A rosa incendiada transmutou
E declarou a evolução
Em novos tons da cor lilás...



Graça Campos. Poema. Os Lilases da Fábrica. 2009.
Publicado por Graça Campos, 04/03/2010.

Todos os direitos reservados ao autor. Indique a leitura deste blog.
gracacampos.blogspot.com

quarta-feira, 3 de março de 2010

"Esquinas" em Aspectos Urbanos de Iara Abreu



A artista plástica e poetisa IARA ABREU convida para mais uma edição de Aspectos Urbanos no Centro Cultural de Venda Nova, em Belo Horizonte-MG/Rua José Ferreira 184 Bairro Nova Letícia-Venda Nova).

Vale a pena conferir !

Visitem http://iaraabreu.blogspot.com para conhecerem a belíssima obra da artista.

O meu poema acima "Esquinas" é ilustrado pela artista expositora Iara Abreu.
Confiram: www.iaraabreu.blogspot..com.

Graça Campos, Belo Horizonte, 03/03 2010.

DANÇAR CONTIGO


Imagem do Google.




Imagino
Dançar contido o tango
Na madrugada
Tu e eu, estrelas da noite!

A orquestra
Uma bebida caliente
Tramando contentamento
Uma total harmonia
Do perfume, da magia,
Do batom, de minha boca

A música inebriante nos convidando a girar e
Vejo-me em teus braços, e me jogas
Do teu jeito de levar-me...

Olhas! Olho-te!
Invocas-me...Provoco-te...
Colados os corpos ,
Teu suor , meus segredos

E súbito me rodopias
Conduzindo-me entre aplausos
Há entre nós um perfeito compasso
Cumplicidade nos passos

Dançar o tango contigo
Sagrados instantes
Movimentos tão precisos
Frêmito desejo
De alma a bailar o riso
De corpos que chamuscam...

Graça Campos, Belo Horizonte,02 / 03/ 2010.
Todos os direitos reservados ao autor. Indique a leitura deste blog.