domingo, 23 de maio de 2010

Recital " Nós da Poesia"


Foto: Brenda Marques
A taça em que degustas saboroso vinho
De forte tom, impera um ritual
Tu, Sol, me aquece e faze-me brilhar
Eu, Lua Nova, chego a flutuar...



Do meu poema "Nós Dois" participação na Antologia Nós da PoesiaLançado na 2ª Bienal do Livro de Minas em 22/05/2010.


Na foto, leio poema do Livro "Nós da Poesia".
A meu lado karina Campos, contista e poetisa, que está na Antologia com " A mãe e o beija-flor".

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Nós da Poesia 2ª Bienal do Livro de Minas 2010

Foto: Gabriel Pessoa
Eu no Stand da Editora All Print onde haverá o relançamento de "Nós da Poesia" com selo do Instituto Imersão latina-IMEL, organizado por Brenda Mars, Clevane Pessoa (Presidente e vice-presidente) da Instituição,sob a revisão de Bilá Bernardes e capa Ilustrada pela artista Iara Abreu.
Segundo a presidente Brenda, a antologia tem como objetivo sobretudo, "mostrar a importãncia do coletivo" na DIFUSÃO DA POESIA E DA CULTURA DA paz."

Poetas Participantes:

Angela Togeiro, Aníbal Albuquerque, Avelin Rosana, Bilá Bernardes, Brenda Mars,

Carmem Cristal, Cláudio Márcio, Clevane Pessoa,

Dimythryus, Filipe Marks,

Graça Campos, Helenice Rocha, Iara Abreu, Jéssica Araújo,

Karina Campos,Lívia Tucci, Lucas Guimaraens
Luciana Campos, Luciana Tannus, Luiz Lyrio,

Marco Llobus, Maria Moreira, Marta Reis,
Nina Reis, Neuza Ladeira, Regina Mello, Rosângela Ferris, Silvia Motta,

Soninha Porto, Tânia Diniz, Rosa Pimentel, Roberto Bianchi
Terezinha Romão, Vagnér Santo, Vicente Ferrer

Confira!

Será no sábado, 22/05/2010 às 21:00 h. Rua G .


Foto: Gabriel Pessoa

Poetisas Karina Campos, Graça Campos e Luciana Campos Bienal do Livro de Minas 2010.

Universo das Letras

Foto: Gabriel Pessoa
Literatura: Riqueza incalculável!

Foto: Graça Campos
Luciana Campos (Jornalista ) e o Jornal "Estado de Minas"

Foto: Graça Campos

O encantamento dos ouvintes atentos às histórias...
A arte da contação ...


Foto: Karina Campos

O sonho realizado de um jovem poeta Bruno Graciano (de Brasília) Lançando seu primeiro livro
na Bienal de Minas



Foto: Karina Campos

Graça Campos (eu), Ronaldo Luiz Souza (o autor de "Raízes e Asas")
e a Jornalista e escritora Luciana Campos Lançamento do livro na Bienal do Livro de Minas / 2010.

BIENAL do LIVRO de MINAS 2010


Foto: Luciana Campos
2ªBienal do Livro de MINAS 14 a 23 de Maio
Lançamentos, atrações e diversão!
BH respirando cultura!...
Mãe e filhas visitando a Bienal
Foto: Gabriel Pessoa

Karina , Luciana e eu estamos na Bienal com poemas em "Nós da Poesia" a ser relançado neste sábado às 21:00


Stand da Editora All Print. Todo mundo vai, uai!

O autor Carlos Fabiano Braga, lança seu novo livro "Europa em Quatro Estilos, pela Editora All Print, em 19 de maio de 2010. E eu estou aí em "Nós da Poesia".

Foto Gabriel Pessoa
Cortinas de Banners apresentam interessantes histórias das livrarias e editoras.

Foto Gabriel Pessoa 2ª Bienal do Livro de Minas 2010

À entrada, a alegria das crianças e adolescentes de várias escolas de Minas Gerais. O gosto pela leitura vem sendo conquistado. O universo das palavras torna-se tema prazeroso. O caminho rumo à literatura é resgate dos mais valiosos. 19/05/2010.

Graça Campos (Profissional da Educação )

sábado, 15 de maio de 2010

EVENTO PAZ e POESIA em BH




PAZ e POESIA será no domingo, 30 de maio de 2010.
O EVENTO PAZ e POESIA 2010 será no próximo dia 30.
PAZ e POESIA acontece anualmente na capital desde 2007.

Poeta quer ser lido!
Este é o Lema dos poetas que participam com suas poesias, doação de livros, mutirão para embalagem dos livros que são entregues pelos próprios e recebidos com muita delicadeza alegria pelo pessoal da feira. É um momento muito especial para todos.

Autores já estão doando livros para serem distrbuídos aos artistas, artesãos e feirantes da Feira de Artesanato na Avenida Afonso Pena no centro de Belo Horizonte, MG/Brasil.

Organizadores:
Claudio Márcio Barbosa, Clevane Pessoa , Marco Llobus e Poetas Pela paz e Pela Poesia.

Equipe de apoio prévio :
Angela Togeiro, Bilá Bernardes, Brenda Mars, Antonio Dayrell,Iara Abreu, Fátima Sampaio


Todos os poetas vestem camisetas brancas e escrevem poemas uns nos outros.



Publicado por Graça Campos
www.gracacampos.blogspot.com
gracacamposarte23@gmail.com

"NÓS da POESIA" na BIENAL em BH


Minha participação "Nós dois"




Livros editados pelo Instituto Imersão Latina em parceria com a All Print Editora serão lançados na Bienal do Livro de Minas de 14 a 23 de maio

Recital: 22 de maio, em Palabra en El Mundo.

Local: Bienal do Livro-Belo Horizonte, Mg-Brasil.

Expominas (Avenida Amazonas 6030 – BH/MG), no Estande da All Print Editora, Pavilhão 2, rua G, Estande 18.


"Nós da poesia" reune cerca de 30 autores premiados que trabalham pelo fazer poético em movimentos culturais.

Organizada pela Presidente do IMEL, a jornalista e poeta Brenda Marques Pena (Brenda Mars) e Clevane Pessoa, vice- presidente, escritora e poeta(ambas representantes do Movimento Cultural aBrace em Belo Horizonte, MG Brasil e Embaixadoras da PAZ , a Antologia Poética (IMEL), será lançada no dia 22 de maio, às 21 horas, na Bienal do Livro de Minas, no estande da All Print Editora, EXPOMINAS no Pavilhão 02, rua G, Estande 18.

"Nós da Poesia"
foi lançado também em 2009 na Bienal Internacional do Livro, no Rio de Janeiro, no dia 11 de setembro com um ato poético pela paz, em um memorial às vítimas do golpe militar de 1973 no Chile e aos atentados de 2001 nos Estados Unidos.

Autores da antologia:
Angela Togeiro, Aníbal Albuquerque, Avelin Rosana, Bilá Bernardes, Brenda Mars, Carmem Cristal, Cláudio Márcio, Clevane Pessoa, Dimythryus, Filipe Marks, Graça Campos, Helenice Rocha, Iara Abreu, Jéssica Araújo, Karina Campos, Lívia Tucci, Lucas Guimaraens, Luciana Campos, Luciana Tannus, Luiz Lyrio, Marco Llobus, Maria Moreira, Marta Reis, Nina Reis, Neuza Ladeira, Regina Mello, Rosângela Ferris, Silvia Motta, Soninha Porto, Tânia Diniz, Rosa Pimentel, Roberto Bianchi, Terezinha Romão, Vagnér Santo e Vicente Ferrer.

Recital dos autores de "Nós da Poesia".

Participação em PALABRA EN EL MUNDO
22/05/2010, sábado, 21 horas – Bienal do Livro de Minas – Expominas (Avenida Amazonas 6030 – BH/MG), no Estande da All Print Editora, Pavilhão 2, rua G, Estande 18.

Informações para imprensa: (31) 32276869 (31) 88119469 info@imersaolatina.com
Publicado por Graça Campos em http://www.gracacampos.blogspot.com/

MÃE

Imagem Google

Karina Campos, Belo Horizonte, 06 de maio de 2010.


Uma síntese:
FORÇA
Ponder / ação
Bondade
Serenidade
Atitude
Valores do Bem
Respeito
Liberdade
Lado
a
Lado
Amiga
A melhor
Mãe
Incondicional
Yin
Perfeita
em suma
Yang
Complexa
de
Amor...


Homenagem especial à minha mãe e a todas as mães do mundo.
Karina Campos



quinta-feira, 13 de maio de 2010

BÁ TEREZA


Óleo sobre Tela Título " TEREZA RAINHA"Graça Campos


Bá Tereza
Babá, doce criatura
Neguinha sorridente
Protetora e confidente

Deu-me colo alegria
Embalou-me com histórias
Fascinantes fantasias
Relíquias da memória

Tão serena Terezinha
Saudades de minha infância
Minha Bá, uma rainha
Calma e leve transparência

Neguinha doce babá
Dedicada e leal
Carinho particular
Nunca vi outra igual

Uma presença constante
Marcada em minha vida
Um luminoso diamante
Da existência colhido


Graça Campos. Poema do meu primeiro livro de poesias. "OLHARES"
Homenagem a minha querida "Tereza Rainha"

NEGRA MULHER

Imagem Google


Negra Mulher
De tempos coloniais
Africana ficou em lar
Mudou sua fala, sua morada,
Senzala...
E seu olhar cabisbaixo chorou!
Plantou o que exigiram, cozeu o que saborearam;
E tanto a humilharam...
Mulher de cor!

Ouvi seus gritos de aflição e dor
E no rosto estampado pavor
Para evitar outras formas de opressão
Silenciava, escondia sorrir
Até mesmo o homem negro, seu amor
Atingia-lhe a alma em dissabor
A causar mais sofrer, indignação!

E, como se não bastasse,
Maternidade e sexo tornaram-se exploração...
O corpo escravo sentia desprazer de gerar filhos,
Imaginar que, ao nascerem, ceifariam o desfrute;
Ou mais tarde, estariam entre cenas de um tronco...

Mulher d’África serviu
Para caprichos cruéis,
Objeto de Senhor

Por tanta deslealdade,
Anseio de outro viver,
Resgata, de alguma feita,
Cultura, fé e valor!

Bem podia imaginar seu nome, marco na História
Dos Quilombos liderados a buscar libertação
E surgiu um movimento trazendo nas asas do vento
Enorme força a espantar e pôr fim no seu lamento.

A mulher negra percorre “livre” sem poder voar...
Precisava ter ciência de um novo caminhar
Havia se libertado sem saber a independência.
E mudara da senzala para um cortiço apenas
Assumindo a cozinha de abastadas famílias

Por migalhas...

Após lutas e mais lutas e conquistas de direitos
Perpassar dificuldades, racismo, preconceito,
Negra mulher, consciente, será respeitada...
Cada vez mais, cada vez mais!

Graça Campos

terça-feira, 11 de maio de 2010

FIANDEIRAS


As Fiandeiras de Velasquez


Fiandeiras

A grande mãe tece
O fio da vida
As filhas
Aprendem
Tecem cantando
Longas horas

As aranhas
Criam xerém, vassourinha
Pontos de sol e de lua
Inspiram
Respiram arte
Vão tecendo os destinos
Contando contos
Com a roca e com o fuso
Confusos pontos
Vastos caminhos

Rústica lida
Um pequeno Samburá
Abarrotado de algodão
As mãos cheias de talento
Criam do começo ao fim

Entrelaçadas fibras
Fiadas torcidas
Do luar ao pôr-do-sol
Ponto a ponto
Tecem sonhos
Vida
Sustento e
Amor

Graça Campos,
Este poema faz parte do livro"Olhares" da mesma autora.

domingo, 9 de maio de 2010

Não, as MÃES não morrem

Foto: Arquivo pessoal


Não, as mães não morrem

Clevane Pessoa de Araújo Lopes

Resposta a "Minha Mãe Morreu?"de Vânia Diniz.

Não, as mães não morrem em tempo ou lugar algum.
As mães são asas de raizes profundas e copa generosa
fortes quais os baobás, mas graciosas quais as alamandas,
amarelas ,lunares, solares, perfumadoras do ar em torno.
Quando suas almas passam a outra dimensão para descansarem,
deixam a alma projetada, ao nosso saudoso olhar.
E nós, que ficamos para sempre órfãos, de tanta grandiosidade,
e beleza imensurável, podemos sentir o aroma do seu amor.
para sempre em torno de nós, e ver o perfil grácil ,de galhas para o alto,
a dançar na brisa, ou recolher a chuva da bondade,a abrigar,
dadivosa e forte,a passarada de nossas lembranças
que ali se abriga ,a todo instante,intemitente,a cantar.
Basta que fechemos os olhos e veremos, com exatidão,
essa mãe presente na ausência, ouviremos sua voz,
e reconheceremos seus pequenos e grandes gestos de carinhos...



Autora: Clevane Pessoa de Araújo Lopes
Publicado em http://www.komedi.com.br/escrita/leitura.asp?Texto_ID=3900

Publicado em http://gracacampos.blogspot.com/




O Adeus de um Sonho

Você se foi tão de repente, que mal deu tempo de se despedir de alguém.
Pessoas que tanto a admiravam...
Mas, a vida é assim mesmo. Partiu sem dor, sem ressentimentos. Você se foi, mas deixou-nos um legado de coisas boas que você fez.
No pouco tempo em que convivemos, aprendi a ser o que sou.

Obrigado, mãe, por você ter existido! Saudades!

Do seu filho ARI à sua mãe Conceição Campos.


Autor: Ari Campos, 26/04/2010.

Hoje você estaria com seus 85 anos de idade.

“Você continua viva em nossos corações!”

Homenagem ao Dia das Mães! Maio/ 2010.



sábado, 8 de maio de 2010

MÃE



MÃE

Matriz mesclada, imortal amor

Misteriosa surge, embala, aconchega

E dá a vida, se preciso for.


Instinto, faro indomável

Leoa de sua criatura

Coruja atenta, perceptiva!


MÃE (s)


São muitas em uma só!

Por ser

Eternamente “MÃE”

Traz presente

Em coração e útero

(Moradas Infinitas)


MÃE

Luz, total entrega

Regaço, humana nina

Estrela maior no céu, pilar na Terra,

Arte Divina!



Graça Campos

sexta-feira, 7 de maio de 2010

A ESTRELA de LUIZA

Foto: Arquivo Pessoal

Luiza está vestida de branco, embora o convite para a formatura da turma de jornalismo da faculdade Newton Paiva, peça “traje passeio escuro”. Pés descalços, enquanto todas as representantes do sexo feminino presentes usem seus sapatos sociais, Luiza é a serenidade plena. Adormece suavemente em meio ao zumzum de convidados para a cerimônia. Luiza está aninhada nos braços quentes de um bonito jovem homem e por isso, não sente frio.

A música de irretocável repertório,vem da ótima orquestra e o coral afinado da Newton, composto, por alunos, ex-alunos, funcionários, dependentes, como anuncia a voz grave e clara da linda Flávia Leão, uma das responsáveis pelo cerimonial, também aluna da instituição. Estando bem perto dos mísicos, Luiza continua sua serena trajetória de sono.nada a faz acordar, embalada apenas pelo batimento cardíaco do peito masculino.

Luiza foi à faculdade todos os dias.Luiza é muito estrela, porque brilha de forma inequívoca, todos o percebem.Sua embalagem interna e externa é o amor de sua família.O tempo lhe rende graças.Graça, a avó, derramam-lhe tais bênçãos. As filhas dessa avó, são realmente a personificação das três graças mitológicas, Karina, Luciana e Viviane...Vendo-lhe o narizinho, o avô (ausente por estar febril, que pena!) acha uma graça, os tios se desmancham em açúcar, as priminhas sorriem sorrisos onde dentinhos de leite são trocados. Luiza deveria querer leite, há tempos se alimentou, mas dorme, asas escondidas sob o leve vestido branco que eu lhe trouxe do Nordeste. Grácil, leveza pura....

No telão, os rostos felizes e atentos dos formandos, de vez em quando enviando caretas e acenos para que seus entes queridos compartilhassem aquela emoção.A faculdade está em festa:seu fundador, Newton Paiva, estaria completando cem anos... O Magnífico Reitor rememora a trajetória paterna no âmbito da educação....

Do palco, a mãe Luciana olha sua menininha cheia de graça e sono... Olhares de mel e melado de cana. No convite, sua foto sorridente,em preto branco embora, revela os pedaços de céu no olhar de espera, de esperas tantas.Luciana Araújo Campos mostra a barriga já muito esticada, segurando-a, naquele carinho que só as grávidas sabem fazer.Dentro desse plenilúneo, Luiza, a estrela, brilha,esperando para ser presenteada à Luz, nessa terra já muito velha quando ela nasce. A mãe freqüentou as aulas, estudou, fez trabalhos, carregando a nova vida dentro de si... Um curso inteiro, uma faculdade também esperaram por Luiza, além da família amorosa, dos amigos. Apesar de a ter aguardado também, através da espera atenta de Karina, a escolhida de meu filho Gabriel, minha norinha linda, sua tia orgulhosa, eu ainda não conhecia Luciana. Como é linda, com um sorriso de barca, loura de expressivos olhos azuis e uma vontade muito forte a transparecer-lhe no rosto...!

Barcarola.... Canções de ninar embaladas a aguardar no peito, peitos túmidos a esperar a boquinha sôfrega, vai à frente, pois proferirá o juramento para os comunicadores de futuro próximo.Luiza dorme, cabelinhos claros, pezinhos descalços. A avó e as tias preocupam-se que possa estar sentindo frio.Apalpada, revela-se morna, o regaço do peito de seu pai a aquece. Nem o ar condicionado, nem as palmas e vibrações familiares dos formandos, nem a excelência da música próxima, acordam Luiza, a menina que dormita no algodão do sono. A mãe é muito aplaudida, a mãe é chamada para representar a turma onde, simbolicamente, representará sua turma enquanto o magnífico reitor faz um ritual c om um objeto de seda branca franjado (confesso que desconhecia esse cerimonial), empoderado os novos profissionais. O mercado os espera, o mercado e suas esgrimas espera a mãe da pequena Luiza, a manina que dorme. O pai vai trocar sua fralda, a nova está na bolsa que foi deixada nos bastidores. Ela volta dormindo, essa criança de pólen e serenidade absoluta.

Alguém do cerimonial se aproxima e murmura algo ao ouvido do pai. Levantam-se e saem, devidamente escoltados... Pergunto à sogra de meu filho o que acontece. Não sabe ao certo. Penso que foram levados para o local,onde foi anunciado que os formandos receberão cumprimentos, pois há muita alegria ruidosa no auditório do Teatro Topázio, no Minas centro, aqui em Belo Horizonte. Devem estar preocupados com tanto barulho para a bebezinha...

Então o magnífico reitor toma a palavra. Afirma que o protocolo das formaturas é sempre muito rígido, mas que agora será quebrado, pela primeira vez. Então anuncia Luiza , que freqüentou a faculdade in útero, para ser apresentada aos presentes. E ela vem, dormindo, numa cena lindaVestidinho branco, pezinhos calçados de amor, no regaço materno. Aparece no telão, com sua delicada beleza. Vira estrela, sob os aplausos...

No salão vermelho, destinado aos parabéns dos familiares, já acordada, resiste um pouco sem chorar. Muitos presentes querem tirar fotos perto dela:afinal, com três meses incompletos, quebra um cerimonial e participa de uma formatura. Os tios de suas mãe, os escritores gêmeos Leosino e Leonildo, se encantam. Um deles me confidencia que um poema já fervilha em sua mente, em casa irá escrevê-lo. Não sei bem qual dos dois me disse isso, pois são idênticos. Mas não há quem fique impassível perante o inusitado dessa jovem mãe formanda e sua meninazinha dourada....

Agora a fome de Luiza de colo se faz anunciar.Tiro-a do colo da mãe por um segundo, para o fotógrafo registrar essa noite especial.Então, ela chora.prá valer. Talvez seja a única fotografia em que aparecerá chorando. Devolvo-a rapidamente à mãe, para que possa ir mamar. E vamos todos embora, sob a luz dessa Estrela anunciada, Luiza, a nenê que foi à faculdade, que dorme em meio a mil barulhos, que parece... Com quem? Com ela mesma, especialíssima...

Essa, sem dúvida, foi a formatura mais emocionante à qual já assisti dia 14, Dia Internacional da Poesia, onde essa poesia concreta feita de fitas, seda, rosas e amor, dormitava como devem dormir os anjos)...

Nota: sei que hoje não é incomum universitárias grávidas freqüentarem as suas faculdades, felizmente. Mas essa era “a hora da estrela” dessa menininha mais-que-linda, Luiza com”z”, como o Luiz de seu pai. Afinal, o fundador do centro Universitário Newton Paiva estaria completando 100 anos.. .Uma festa sem tamanho...

Clevane Pessoa de Araújo Lopes
15/03/2005


http://www.blocosonline.com.br/literatura/arquivos.php?codigo=cron/cb/2005/050409.htm&tipo=prosa

quinta-feira, 6 de maio de 2010

PORTAIS da CRIAÇÃO

"Pranto": pintura a óleo Graça Campos


A força das águas
Na dor de uma lágrima
Transforma as mágoas,
Em chuva de prata
Abençoa os campos
Em colheita farta


Meu corpo oceano
Do ventre de um ventre
Da mãe natureza
Sou filho da terra
Respirando fundo
O ar que me leva
Ao resto do mundo


E na vermelhidão
As chamas de ouro
Do fogo ariano
À inspiração
O sol excitante
Viva a criação!


Graça Campos, 06/05/2010.

Publicado no Caderno Literário Pragmatha 28 maio/2010.

Editora Pragmatha
Porto Alegre, Maio/2010 Ano 03. Número 28
Circulação gratuita

A PEDRA AMARELA




A Pedra Amarela

Vejo no colo nu da bela jovem
Mulher tão pensativa
Inquieta miragem no tempo
A jogar de seu âmago
Amargura, quietude de alma chorosa.

Muito longe, um andar solitário
E de face um tanto sem vida
Dos meus olhos se aproximou
Por forças afeiçoadas

Encontrei no caminho os soluços
Ainda um resto do rastro do eco
Soluções do querer, do aceitar
E um brado soou: Oh, espera!

O que faz da ventura de ser?
Paciência, a paz do viver!...

De toda a cena, meu olhar terceiro
Vislumbra intenso brilho
O colo já não mais desnudo
Vestiu-se em luz de pedra amarela

A grande pedra lhe devolve aos olhos
De cada gota uma felicidade
Prevista em dourados raios
A alcançar a vida no seu corpo inteiro

A pedra luz, o sol interior
Alimento, aconchego,
Vem do amor
E um grande laço de um ser MAIOR!...

Graça Campos, 06/05/2010.
Todos os direitos reservados ao autor.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Flor do Campo

Imagem do Google



Oh, flor do campo
Que inspiras o trovador
Enxuga o pranto
Do teu trabalhador!

Flor tão mimosa
Manhã, linda canção
Traz amorosa
Encanto e perfeição

Dama singela
Entre a rama atenta
Em aquarela
Perfumosa ao vento

Oh, formosura
divina flor do campo
A tua candura
Traz colorido manto

Do s verdes montes salpicam cheiros
Flores das roças
E dos canteiros

Um tanto meigas e coloridas
Flor de algodão, acácias mil
Vêm girassois, dourados prados
E as perfeitas,
Belas orquídeas...

Minha paixão sempre viva : A flor do campo!

Graça Campos, 05/05/2010.

domingo, 2 de maio de 2010

AS MÃES

Minha mãe e eu


As Mães

São anjos no sobrevoo guardião
Adivinhas de nossos desejos
As mães concebem ternas esperanças
De um novo mundo para suas crias

Há nos olhos das mães um brilho incomparável
Quando um filho está para chegar
E a mais terna expressão de querer bem
Ao estender as mãos...

Mães são missionárias em árduas tarefas
Das mais sublimes que se possa crer
E vão além da luz que delas vêm
Iluminando os passos dos filhos...

Partilham centelhas por centelhas
Do pão, do verbo, de uma vida inteira
E são exemplos de perseverança e fé...


Mães são arco-íris lá nas nuvens
O luar clareando a escuridão da noite

Estrelas guias...

Amor de mãe não há que se compare
A nenhum outro amor que há no mundo!...


Graça Campos, Maio de 2010.