sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

INFÂNCIA

Imagem da web


Por entre as árvores daquele quintal bendito, eu menina tinha sossego de buscar o mundo. Brincava de criar... E me perdia em um tempo sem relógio...

Ali gangorrava em plena liberdade, borboleta em flor. Nos galhos firmes, me apoiava e fazia grandes viagens. Em Minas mar é montanha. Onda gigante. E, velejando, conheci terras longínquas do meu imaginário. Daquele itinerário  fértil de idéias.  Meu quintal foi oceano. Infância mágica, o chão de terra vermelha, anfiteatro onde contracenaram raros e incríveis personagens que ainda hoje, vejo-os lendários a sussurrar-me segredos, ensaiando suas falas.

Chego a sentir o gosto de fruta no pé e o cheiro dos guisados, o aconchego das bonecas a me treinarem a maternidade. Brinquedos brincavam, eu brincava de gente grande. Tudo falava. Tudo era silêncio. As coisas tinham respostas interessantes. Havia circo, palhaço disfarçado nas alegorias. Boiadeiro de fazenda de curral e gado feito de brotinhos de chuchus. Havia um caminho colorido onde  tinha cuidado em pisar. Eu andava entre boninas do bosque nascidas sozinhas...  Entreolhares, entendimento...  Havia o bosque!
Colhia uma por uma, as flores do mato.  Simples e belas boninas do meu quintal fantástico e real...


Graça Campos, 24/01/2012.
CAMPOS, Graça. INFÂNCIA.

4 comentários:

  1. Oi mana, eu também tenho saudades dos tempos de criança. Que bom que podemos relembrar, não é? Muito linda a poesia. Beijos, Rosângela.

    ResponderExcluir
  2. Rosa querida:

    Há momentos maravilhosos que se superam, e confirmam que somos feitos para a felicidade!... Você é de ouro, sensível e tem, a poesia latente na alma.

    Grande beijo,

    Mana Graça

    ResponderExcluir
  3. Graça querida :
    Você retrata como poucos a suavidade e as peripécias do tempo de criança... Parabéns pelos lindos versos da " Infância " .
    Receba meu abraço amigo, Jerônimo Sales

    ResponderExcluir
  4. Jerônimo Sales,queridoamigo:

    Quem dera as crianças de agora tivessem a chance de vivenciar as brincadeiras de minha infância...
    Um dia desses, minha neta fez uma observação interessante:

    "Vovó, a gente tem tudo quanto é brinquedo, mas tudo é cercado...

    Obrigada pela visita!
    Abraço,
    Graça

    ResponderExcluir