sábado, 16 de fevereiro de 2013

AMOR E PROSA





Saudades de teu abraço, de teu afago,
e mais ainda, das horas de amor maduro,
que sabe, ouve e entende
apenas...

Saudades de teus olhos nos meus,
a espelhar o que nos vem da alma...
Saudades de nossa música predileta,
ecoando silêncio profundo...
Da grandes viagens em veleiros calmos,
buscando no vento, brinquedos tentadores...

Das breves palavras, eternas histórias acendendo rastros,
marcas de nossa lida,
tão aliada ao que se aprende todos os dias!

Do ser espontâneo, tu e eu na junção de nós! Mas, sem amarras,
sem esperar que o mundo entenda,
ou aprecie,
ou julgue...
Nosso viver é único!

Saudades de ontem, logo ali, nos anos de primeiro tudo!
Saudades das prosas curtas pela impaciência de nossos desejos.
De nossas falas baixinhas adentrando madrugada,
aprendendo o cultivo do amor!

Ainda agorinha, era hoje e já é ontem, e o tempo, parceiro e tanto, vai ajeitando os dias,
e o presente é você, sou eu, somos nós nessa ânsia da vida.
Como é gratificante esse viver e conviver mudando com a natureza assim bobamente, mas de verdade muita, de semente à flor, ao fruto, à sombra ao sol da estrada...
Tudo é viagem no tempo... Falo da saudade boa que não causa dor, apenas um momento (eu - palavras, nós engajados) compartilhando flashes que fazem diferença e alimentam a alma da gente!

Saudades! Independente do tempo em que ficamos longe ou perto...
Se na esquina, ou qualquer lugar!



Graça Campos, 13/02/2013.
CAMPOS, Graça. Prosa poética.Amor e prosa.

Creative Commons License

Nenhum comentário:

Postar um comentário