segunda-feira, 11 de agosto de 2014

AÇUCENA





Lírio diáfano, teu cheiro divaga nos campos
E levemente adentra os portais da altivez,
onde és formosa “Flor-da Imperatriz”
Cheia de graça, tua essência escala os montes do Olimpo
E, acolhida por deuses, teu brilho translúcido
Reflete nas colinas viçosas!

Tamanha formosura, como é que consegues esconder
tuas angústias?
Qual motivo, qual foi a razão de tanta tristeza?

Açucena, menina, tão bela em teu brilho e frescura
Banhaste de orvalho ou é lágrima tua?
Há um misto de choro, coração apertado...
É saudade, AÇUCENA, de teu ser amado?

Se aquieta, Açucena, que o amor vai passar
E afagar teus cabelos e olhos de mar!
E soprando  cantigas o vento e a brisa , o sol e luar
vão trazer-te razão
De outra vez sonhar!...


Graça Campos, 11/08/2014



Pintura de Vicente Romero.

3 comentários:

  1. que lindo Graça.. Açucena é de arrepiar !!!

    ResponderExcluir
  2. Flor e poesia. Combinação perfeita q a poetisa utiliza com grande talento.
    A natureza agradece, tamanha poesia.
    Parabéns, minha querida.

    ResponderExcluir