terça-feira, 7 de outubro de 2014

AZUL MEU CORAÇÃO É LUZ DE AMOR



Olhar perdido, incapaz, não crê, não sonha!
O olhar precisa buscar
Surfar ondas, esquivar-se das fragatas, 
Mergulhar profundo os oceanos
Captar os infinitos sons do mar e dos céus...
Há um mistério latente, um desejo fremente,
Tocando à porta da intuição.
Quem és?
Sou assim natureza, célula amor aos pedaços em fases de recompor.
 Sou ainda a luz que a descrença ofusca e esfria
A chama da vida,
Centelha.
Sou fé navegante em oceanos nos refúgios das lições amargas,
Se perdidos os lemes, os barcos perecem e o vento leva...
Sou soma de buscas de norte a sul...
Ora candeeiro revigorando as chamas, estrela rompendo nuvens,
Ora trovão sinalizando tempestade,
E chuva de lágrimas,
De lamaçal,
De culpas...

O caos
A explosão de tudo e nada
Larva, vulcão
Expansão!
Ultrapasso o espelho dos limites da visão,
Desamarro os lacres dos portais 

Perdão!
Sou larva breve,   
O despertar ao novo
Regeneração!
Sou asas leves reconstituídas pela dor
Na transparência da transformação

Libélula...

Azul
Meu coração é luz de amor
Nas mãos reluz
Recém-nascida flor,
Meu  Sol interior!


Maria das Graças Araújo Campos, MG/Brasil.
Poema. Azul meu coração é luz de amor.26/09/2014.




Nenhum comentário:

Postar um comentário