domingo, 7 de dezembro de 2014

Amor e paz entre as criaturas!






Clarão radiante que inunda enchente
Que deságua em ondas
Imensa nuvem...
Flocos solventes de pura leveza!

Afaga a ânsia, acorda o silêncio
Em mover-se manso
Andar macio, ao doar o colo,
Se faz presente, quando é mister.
Espumas naturais contornando conchas
Em colar de pérolas...
De amor!
Plumas ao vento cortejando os ares...



Versos do  poema PAZ.
CAMPOS, Graça. Poema. PAZ.

Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

Um comentário: