quarta-feira, 1 de julho de 2015

SEGREDO - A Última Rosa Cor


Eles se escondem, enroscam no âmago,  ficam guardados, resguardados a sete chaves.
E, havia um tempo...
Havia mistérios, desejos, sentimentos trancados.  Dias opacos em que o sorriso seria gesto condenado, julgado por crime de insinuações levianas.  Era impossível ser fiel a si mesmo.
Assim, os sentimentos camuflados se retorciam  no intuito de conter a natureza e a naturalidade , manifestações mais cristalinas da alma , em plena idade de aflorar a vida de amar, de amor, e ser feliz.
Em algum lugar precioso, cercado  de arvoredos, folhagens nativas,  presença encantadora  fora acolhida e preservada para ali se revelar.
 “Abro meu coração:
Confesso-te que me dói o peito e retalha o viver...
Olha, nos meus olhos, e, lê, os meus segredos! 
Em comunhão, ampara-me na tua compreensão.
Colheste todas as rosas em promessas,
Juras perfeitas, jamais desfeitas.
Venho trazer-te o segredo dos segredos de meu coração...
Recolheste meus  medos e sombras.
Impossível não dividir essa angústia visível
No tremor das mãos que teimam em segurar os sonhos.
Testemunha notável das lágrimas frias
Do pensamento que escapou,
Decifrando em mim, o riso triste,
Os olhos perdidos em busca de forças
Para juntar degraus quebrados e restaurar o coração partido.
Devolvo-te suspiros aliviados...
A última rosa - cor, ainda intacta,
Contém o que aprendi com o mistério das palavras mudas.
Guarda-a nas águas do vale dos sonhos,
Preserva-a, até que para sempre,
Meu ser, por inteiro, possa soltar o riso atrofiado.
Sinta o aroma em cada pétala que se desprende das amarras...
E, Vem!  
Abarca-me,
Abraça-me para sempre,
Segredo de minha vida!


Tudo é segredo até que se cumpra a palavra ao pé do ouvido, no sopro do vento que carrega da alma, a intimidade já em fragmentos, se modifica  a  cada som na amplitude dos espaços, a verdade, um corte,  pedaço de segredo...  
Pois é sempre assim que acontecem as revelações, passo a passo!

Íntimo, místico, intrínseco, implícito, oculto...  Nenhuma das significâncias resume ou conceitua a essência que molda um segredo.  Segredo é tanto e tudo e nada...
É traidor, instiga e ajeita-se até se escapar do ocultismo, e chega a provocar ora alívio, ora culpa, ora arrependimento...  A vida é um turbilhão de segredos que, aos poucos, são desvendados.
Quando menos se espera, as verdades difíceis de entender  se vão, dando lugar a outras que surgem, completas de conhecimentos  e novas ideias, e, assim, também os segredos se diluem perante novidades, do nascer ao renascer...
E os sábios segredos resistem até que encontrem o exato momento de se manifestarem através de posturas raras e humanas.
Silencioso, parceiro de paz ou guerra interior, aprisiona ou liberta.

 

Maria das Graças Araújo Campos. SEGREDO - A Última Rosa Cor. MG/ Brasil.
Graça Campos, 30/06/2015.


Nenhum comentário:

Postar um comentário