quarta-feira, 11 de novembro de 2015

LIBERDADE




Pássaro verde esperança
 Vai e vem de peito aberto
À luz do alvorecer
Abre a cortina do dia
Novo horizonte descobre
E continua a miragem




Adentra portal futuro
Experimenta, desfruta,
Retorna frutificado
 E singra por entre as fontes,
Visita torres e montes...







No abraço do reencontro
Crepitam os sentimentos
Inverte revoa e dança
 Corta o espaço destemido
Entre a terra e o céu
 Na consciência da vida





Liberdade é toda cor
Amor silêncio e dor
É esperar acontecer
 A vida a morte o nascer

Assistir ao espetáculo
Ver acender as estrelas
Ouvir segredos da noite
 Despir de toda roupagem
Dar asas à doce essência
Alcançar a luz da Lua









E com olhares de mina
Debulhar os pensamentos
Derramar toda o tormento
 Sonhar  paz entre os humanos
  Em novo tempo de amores...





Maria das Graças Araújo Campos
Graça Campos. Poema. Liberdade.


Nenhum comentário:

Postar um comentário