domingo, 26 de abril de 2015

A HORA DO ANJO



Rasgam os céus, em clarão,
olhos de Deus!
Abre-se um par de asas
Amparo e perfeição!
Missão!
Vislumbre ao ser que implora proteção!
Olhar magnânimo, terno,
Compreensão!
Benevolência e razão!
Profundezas da visão em Iris mensageira
Contemplação!
O arco - Céu e chão
Sustentação!
Silêncio, prece
Conexão!
Um voo magistral!
Encontra-se na Terra
Doçura angelical!
Percorridos degraus da ascensão
Formosas  asas abraçando espaços
Em devoção,
Amparam os nós e laços
Dementes sãos sobrevivência irmãos...

Misericórdia, céus, misericórdia!
Tantas mãozinhas apontam ao arauto
Soprando as dores, recados e seus prantos,
Acenam para o alto
Esperançosos pelas novidades!
Um novo tempo é a “Era da ESPERA”
Onde os sinos ecoam até as cordilheiras
E os corações azuis buscam as faces da bondade...
Na dulcíssima hora, cortejo de luz em resplendor,
 Desfila em grandes nuvens.
Abertos os Portais do Amor:
Das alamedas do perdão em flor...
Promessas redentoras!
Vibrante, o anjo encantador
Vigia sacrossanta hora missionária,
Da jubilosa Paz dos corações aflitos,
A ANUNCIAÇÃO
É  Hora!

Maria das Graças Araújo Campos. Poema.
Graça Campos, 26/04/2015.


Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

sexta-feira, 24 de abril de 2015

O Tempo Habita em Nós...


O Tempo Habita em Nós

  

Nossas buscas incessantes vão surgindo
por detrás dos nevoeiros,
quando, ao primeiro ponto de luz,
as encontramos bem ali em nosso ‘EU” que nos vigia....
Sonhos nos levam aos mais imperfeitos
desencantos e encantos.
Mostram-nos os mais possantes sonhares,
desejos mais fortes que gritam  
e clamam por amor a  essência de tudo!

Assim, os devaneios de luminosidade intensa,
preenchem lacunas existenciais,
e os caminhos persistem para as próximas trilhas!  
O tempo habita em nós!

Graça Campos, 24/04/2015.

Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

Onde mora a grandeza das coisas...



Onde mora a grandeza das coisas...

Em simples acordar
E ver
Enxergar!
Espaços preenchidos de minúsculas essências
Imagem evidente em pormenores
Traços naturais...

ORVALHO!

Tremula ao vento, mas tão sereno sereno,
Saudando o dia,
Despede-se o choro pela madrugada!


Aos poucos, banha-se em primícias luzes
E adormece!

Entre um espelho e outro
As faces do dia
Em promessas de amanhã...




Maria Das Graças Araújo Campos
Graça Campos, 24/04/2015. Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

Onde mora a grandeza das coisas





Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

domingo, 19 de abril de 2015

As Quatro Estações - MUSAS DO TEMPO



Na tessitura dos ciclos,
traços vindouros,
Mosaicos da vida!
Primavera das fragrâncias encantadas, 
claras manhãs musicadas. 
Exaltação da natureza nos braços da deusa
em plena aragem...
Milhares de flores, olores!
Vem, Flora, vestida de pétalas
de braços dados com buquês enluarados! 
Ao som do Irmão Vento, brisa de Zéfiro,
um riso contagiante esboça novidades!
Dádivas de luz espargindo fé em corações ritmados.
Declarações imersas em cores, ramalhetes, recados, borboletas delicadas, 
Mel e amor louvam o astro-Rei!
Vem, calor ardente, inundar as faces pálidas
que pedem guarida!
Oh, Sol de verão,
alonga os dias e as tardes preguiçosas,
aclara as comportas onde o frio da alma ficou alojado.
 Bronzeia a pele, e doura-nos de bem- querer!
 E, depois vai...
Agasalha os continentes que, gemendo,clamam
por teus raios de esplendor!
Deixa que o vento se encarregue a seu tempo, o desfolhar.
Bendito outono,
da sensatez, cheiro de bosque,
ouvidos clássicos...
Misto de  mistério arqueia o desconhecido e a sapiência,
e traz serena  idade!
Bendito ciclo da paisagem avermelhada,
que se despede, deixando ir o que se cumpriu.
E as  noites já são gélidas...
Invernoinverno,
guarda meus segredos, ajunta-me ao pé do fogo,
doce companhia!
Sem causar temor, fascina-me o ar que arrepia.
Contraste natural que aquece e me alivia.
Lembra do vinho tinto, casaco e cachecóis.
Sonho noites cálidas, cheiro amadeirado pelas madrugadas,
sussurros de vapor, lençóis..

Ouço o despertar, despertar de amar
nas manhãs brancas e sequenciais, mágicas, completas!
Belas e sábias musas perfeitas!
Sinfonia do orvalho, cantiga de bem-te-vi, 
gorjeio de esperanças!
Sintonia entre folhas na dança do vento  
e no brilho das horas, carícias das estações,
Musas do Tempo!
 
Maria das Graças Araújo Campos
Graça Campos, 17/04/2015. 
ObraThe Four Seasons 
Autor: Paul Cézzane
Estilo: Pós-Impressista


http://silviamota.ning.com/group/antologia-imagem-e-literatura/forum/topics/as-quatro-esta-es-musas-do-tempo

Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.