segunda-feira, 29 de junho de 2015

E no riso atual...

A verdadeira arte, acredito, transpõe a beleza e o encantamento dos momentos.
 Atrair olhares para contribuir com a conscientização do papel essencial do ser humano reflexivo, ativo e pacífico, enquanto artista é a minha mais aguçante meta."

E, no riso atual, o festejo e cantar
Persistência indígena, junto às forças do viver... 

Graça Campos

ESPELHO DE FÉ


Fé, crença e esperança
Pelas ruas do tempo que ora
Dando vivas e glória
Na dança dos corpos e almas
Misto de cores que afugentam lágrima de outrora...
E, no riso atual, o festejo e cantar
Persistência indígena, junta forças do viver
Entre espadas marinheiras...
Ouço o toque das caixas onde o couro sangrou tantas vezes
Em gemido de senzalas... 
Hoje a festa- alegria é mostra no peito
Coloridos coletes bordados,
E penas felizes, cocares.
Pendurados os brincos, pulseiras
Passam fitas, caminham ritmados
Índios, brancos e negros
Com seus mantos florados
Onde a chita estampada é espelho de fé e louvor.
Tradição de Mãe África!
Salve, Salve, a Virgem dos Pretos, 
Salve, Mãe, Senhora do Rosário! 
Mãe de todos, na Terra e nos Céus,
Daí-nos bênçãos, proteção e amparo!
Maria das Graças Araújo Campos
Graça Campos. Poema. ESPELHO DE FÉ.

Foto do Google Blog Vanessa Matos

segunda-feira, 22 de junho de 2015

A MOÇA DA JANELA


Olhar sonhador à rua calma, vazia
Torna-se inquieta e cheia
Mundo real e fantasia
Debruça seus braços,
Vê um mundo
De sonhos dourados
A moça da janela de madeira maciça
Tão forte e tão ampla
Quanto os pensamentos viajores
Que se vão ao longe...
A janela da moça assiste às buscas da alma
Dos olhos esverdeados,
Estrelas de esperança
Ali desfila universo de desejos
Anseios de menina - mulher
Contando as horas,
Esperas transformadas
Futuros e eternos amores...
O hoje amanhecido orvalhado
Brilhante derretido pelo sol
Registra a passarela centenária
Sustento dos passos cautelosos
Na postura sensata de seu caminhar
A janela da moça
A moça da janela
Quimera!
Contou pedra por pedra
Os desiguais pés-de-moleque
Em suas sendas
Fortaleceu a construção de sua sina
Ensaiou as primeiras primaveras
E coloriu de azul o amor
Em voo livre de ser além do tempo
À ternura do olhar colhe estrelas
Até aquietar-se a colher flores
Em paisagens ousadas
Imaginário incontido das noites
De um céu feérico de luar
De serenas madrugadas
Encantos em serenatas
Áureas e frescas manhãs
Em clara face aveludada
Da flor mais bela
E mais amada
A moça da janela!...
(A seu lado, a conselheira D. Esperança contendo as emoções da vida!)
Maria das Graças Araújo Campos
CAMPOS, Graça. Poema. A moça da janela.
Poema dedicado a minha mãe, linda e amada! Dos Anos 50.



Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

sábado, 20 de junho de 2015

MULHERES, Muralhas Borboletas...


Ah, as mulheres e suas histórias!
Muralhas borboletas, árvores frondosas e galhos secos, a ponto de se reerguerem fênix!
Gentis e temperamentais como vier o acaso e ocaso.
Em grande estilo se vestem ou se desnudam buscando a fonte que acalenta a sede de ser o que se é...
Corro qual loba faminta a adentrar a grande cabeleira das árvores
e aprendo com os troncos mais velhos o fio condutor da seiva em que corre vida!
Tento decifrar o pio da coruja e seus guardados.
Sinto a riqueza das histórias e origens.
Sou soma. Somos!

Muralhas e borboletas...

Silencio no escuro da selva interior para ouvir a coragem  mesclada nos tons verdes do esmeralda, verde-mar, verde-broto, verde-chá, musgo, oliva e limão até a cor ferrugem entre o viver e a fé bendita!
E, no cansaço alcanço as madrugadas, bebo gota cristal, sonho festival na lousa do tempo
descortinando janelas de bem-querer...
Amanheço leveza, superando a sede e adocicando a alma entre favos de mel, na magnitude das sagradas semelhanças, sacudindo os excessos e superando as proximidades dos opostos entre o que se foi o que há de ser.
Muralha, fortaleza, baluarte da essência vida, raiz da criação. E borboleta, leveza, transformação, liberdade, evolução!

Maria das Graças Araújo Campos. Poema. Mulheres, Muralhas Borboletas...
Graça Campos 20/06/2015.




Graça Campos 20/06/2015. Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.