quarta-feira, 26 de agosto de 2015

CIO DA VIDA - SENDAS DO TEMPO



Cio da Vida, sendas do tempo!

Grandioso ciclo se expande em cada ser,
Cio da vida, desabrochar, deixar-se livre,
Renascer...
Nas pétalas, no cheiro, na alma, no amor,
Nas chuvas de bênçãos que regam de paz
Sereno do chão em forma de flor...
 
Bendita seja, manhã da vida!
Salve as quimeras nascidas...
À flor da idade,
Viçosa arde, doce ensejo de se mostrar.
Beleza e graça,
Flor do tempo!
Tessitura de luz,delicada paciência
Do despertar!
 
Gotas cristais orvalhadas
vão se juntando à sábia dose:
Maturidade!
Deixando vir sem mais malícias, se partir, pois que se faça!
Da infância até a velhice
Deslizam prantos e risos fartos,
Cenário misto de esplendor!


Passarinhada, e beija-flor, mil borboletas em multicor.
Contudo, a Flor Primeira
É primavera em qualquer fase.
  
E a vedete vem majestosa, sem documento nem preconceito,
Com a bagagem da sã coragem e se mistura em devaneios,
Deixando ao léu, os desencantos, tormentos tantos...


Trocando ideias, expõe os sonhos das madrugadas.
Mesmo que tímida, seja a princípio.
Na noite escura do sentimento, veda secura e açoites
Transpõe o velho, alcança forças.
Ressurge!
Dançam floridas, as moças vivas, perfumadas, aladas!
Valsam os príncipes, cavalheiros.
Valsam senhoras, e condoreiros,
Em romantismo, trocam olhares...
  
 
Brilham ao sol, brilham à lua, revigorando suas auroras
Cantam nas ruas e avenidas, colorem praças, jardins, veredas.
Dançam nos bosques e colhem favos de bem-querer
Fadas apanham flores de amoras...  

Suspiram rosas, girassóis, jasmins,
Vales de flores desprendem cheiro de alecrim
Sorrindo, a  brisa é puro hálito de hortelã,
Por entre campos de sempre-vivas, ipês altivos, flor de maçã!
E nos buquês em profusão,
Requinte em taças de fino olor,
Ergue-se um brinde a estação
Até que venha NOVA IDADE
Nas Sendas do tempo,  CIO DA VIDA,
Florescer...

Maria das Graças Araújo Campos.
POema. CIO DA VIDA SENDAS DO TEMPO.
24/08/2015. 
Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

Detalhe As Três Graças


Detalhe da pintura Primavera Botticelli.
Aglaé (brilhante), Tália (verdejante) e Eufrosina (alegria da alma).



As três Graças – em trajes branco e diáfano, unem as mãos com delicadeza enquanto dançam de forma sensual e suave.

Segundo o mito, as Graças eram filhas de Eurínome (ou Juno/Hera) e Júpiter (Zeus) ou ainda, noutras versões, de Bacco (Dioniso) e Vênus (Afrodite).

São fiéis companheiras da deusa do amor e da beleza, Vênus (Afrodite), a quem devem a graciosidade, o encanto e todos os atrativos que garantem triunfo. O poder das Graças se estende sobre todos os divertimentos da vida.

Elas dispensam aos seres humanos não somente a boa vontade, a alegria e as boas maneiras, mas também a eloquência e a prudência. Elas presidem ainda os benefícios da gratidão.
As Graças são sempre representadas jovens, castas (pudicas) e elegantes a bailar. Os artistas as retratam nuas ou envoltas em túnicas leves, como véus flutuantes. Elas partilhavam também as honras que se rendia ao Amor, personificado por Vênus (Afrodite), a Mercúrio (Hermes) e às Musas.
Fonte Google.

Pensamento


"A arte é a contemplação: é o prazer do espírito que penetra a natureza e descobre que ela também tem uma alma. É a missão mais sublime do homem, pois é o exercício do pensamento que busca compreender o universo, e fazer com que os outros o compreendam.”
 (Auguste Rodin)



DE PRIMAVERA EM PRIMAVERA A vida da janela de minha alma...



De “Primavera em Primavera”, a vida da janela de minha alma...
 
Entre a ânsia da vida e o viver, acontecem os encontros e desencontros, os fatos e os feitos, motivos das histórias reais no cenário nosso de cada dia, onde o acaso não existe, acredito!
Nasci do encontro de dois amores. Amores incondicionais: meu pai, minha mãe!
Cresci na insaciável sede de saber, e dessa busca natural a que chamamos sobrevida. Falo das questões imateriais...
Aprendi a tecer a teia dos desejos da alegria entre o amanhecer e o ocaso observando a natureza sábia de até morrer e renascer nos ciclos de uma estação e outra, pois, cada qual em sua morte/vida, vai ressurgindo na construção imperiosa do tempo.  Amo a vida com suas mutações constantes, e observo as lições da grande mãe-terra com seu colo imenso acolhedor.
Eu vejo da janela do etéreo, o fio condutor dessa alquimia a mostrar-me a idade dos astros, e o poder das luzes sobre as sombras, do pensamento à condição do entendimento de toda a criação, em cada célula-universo que se vai, a oportuna/idade de inovação...
Em minha face, traços interessantes de cada agora. De primavera em primavera veem-se contrastes acelerando as rugas que eu não pretendera na adolescência, mas que a maturidade salienta. E todo mês de abril é primavera na minha janela. Jardineiras se debruçam e se entregam, assim também, me entrego às estações, no caminhar com zelo, a cultivar a maior dádiva divina.
No passo a passo, um mergulhar profundo nas questões de observar. Descubro-me à flor da idade do querer bem. Sou flor de beijo de beija-flor e me integro, buscando, buscando...
E nas lições de transformar, pretensiosa borboleta camuflada por entre nuvens e ramagens, a desfolhar o tempo, mas sempre alada singrando espaços inimagináveis, adentrando florestas ao encontro  de mim mesma...
Oh, natureza de meu ser, mulher selvagem!
Por quê?
Porque permito harmonizar as cordas agitadas de meu coração...
Quietude é preciso! Aquietar-me é possibilidade,
Quando o deserto é miragem magnífica ,
E é possível ver as "FLORES".
Os sonhos são lucidez, as tempestades são alusivas à longevidade, o fogo da fogueira da ave fênix sinaliza vida. E eu vou querer a plenitude das horas duras e suaves e aprender sempre com as pequenas coisas.

O tempo?
É paisagem da janela de minha alma.
A vida...
É força, teimosia e bênção! 
O amor? Eu amo!
De primavera em primavera...
 
MARIA DAS GRAÇAS ARAÚJO CAMPOS.
De primavera em primavera, a vida da janela de minha alma. Prosa Poética.
MG/ BRASIL

Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Lembranças



Linda arte de Safira Saldanha Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

PAZ

Linda arte de Anamar Mar

Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

ALEGORIA À ESTAÇÃO PRIMAZ

Renovar é viver,  acordar...
Provar dos sonhos pintando as horas em Sombra e Luz!

bem
vindo
tempo
flor
 luz
magistral!

Suspiram ansiosas bailarinas
Vespertinas luzes,
Auroras!
Manhãs, junção das cores de sonhar azul...
Estende-se arco-íris  norte a sul,
Que ventos soprem devagar,
Pois, as meninas- flores se enfeitam para abençoar
Com essências curadoras e distintas,
Em doces melodias pelo ar
Um banquete de beleza sem igual
Doce bailar, bailar...
Alma de flor aos céus de  festival
Trazendo em véus e purpurinas mil
Ondas de paz, convite ao altar
Dos dias de um  viver, brilhar  sem fim
Na Plenitude do ciclo...
Mesmo que mero vendaval possa arrancar
As pétalas macias desmanchar
Sabem a certeza de se recompor!
Um ciclo se completa,
E mais um...

Assim a estação primaz, horas benditas,
O  tempo há de florir!
 Pois já se foi  a névoa em que me recolhera
E em cochichos lamentava aos astros...
 É novo o ar da selva, caminhar das nuvens!
Bem-vinda, deusa, Senhora das Flores!
 Vem transformar, vestir-me de babados...
 Revela-me o segredo da estação:
- “Quando se aproximarem beija-flores,
Escuta as liras vindas, esplendores,
O cântico  afinado e solfejos
De lá do Templo dos amores!
Dance ao sabor do beijo, desprenda todo o néctar  
E agradeça a “Terra” em louvores.
Espalhe a crença pelo mundo afora,  
Se deixa renovar!
É Primavera!  
Tempo de florir!”

Maria das Graças Araújo Campos, 23/08/2015. Poema.
ALEGORIA À ESTAÇÃO PRIMAZ
MG/ Brasil  



Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.