quinta-feira, 17 de março de 2016

MINHA ALMA BORBOLETA





Os olhos traduziram versos
O riso passeou nos meus cabelos
O aroma abriu todas as janelas
Claridade fez brilhar a imagem
A sombra se desfez na sutileza do voo



Hálitos perfumados  assopraram os acordes
No balanço do vento, canção de flor despertou
E os sons alcançaram universos

Paralelos, meus pés rodopiaram
Um par de asas se abriu
Folhagens tremularam de emoção
Um espaço anil se descortina



Os olhos leram aqueles  versos
Nas alamedas da coragem
Sinfonia se ouviu,
Faces do coração

Na dança de cheiros, viajei na paisagem
Sussurrei nos ouvidos das pétalas
Mil lembranças , recados de amor
Em  delírios de minha alma Borboleta!


Maria das Graças Araújo Campos. Poema. Minha Alma Borboleta. 
Graça Campos, MG/ BRASIL.

Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

Nenhum comentário:

Postar um comentário