sexta-feira, 4 de março de 2016

SONHOS DE OUTONO


Era ali que o outono tecia mistura de tons
E aguardava paciente a aurora dos sonhos
No dourado das folhas que a vida abraça o sentido de ser.
Ser amor, e amar, plenitude, viver...

Eram claras manhãs, quanto sol interior!
Da paisagem vibrante a inovar
A ciranda dos ciclos, centelha em vigor,
O bordado se fazia sem pestanejar...

Desfrutou cada laço, pedaços de mel,
Traço por traço...
Às abas, louvor, ao chapéu companheiro
Que a tudo assiste, e aninha nos cachos,
Segredos, segredos...

Era abrir as janelas, era a vez
Da paisagem os sonhos dos sonos assim acordar,
Só depois do café com sequilhos, pãozinho francês,
Alcançar a colina e naquele tapete, os sonhos bordar,
Entre linhas douradas, brancas e amarelas,
Girassóis contornar...
No tecido à estampa,
Harmonia das cores em pedaço de pano, 
Um mosaico imitando o outono
Entre frestas de luz,
O saber que conduz, ponto a ponto
A firmeza das mãos entre rendas sobressai
O mais lindo babado bordado reluz
Como  ondas do mar
Em ponto cruz!
Maria das Graças Araújo Campos.
SONHOS DE OUTONO. 29/02/2016.
Graça Campos, MG/Brasil.


Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

Nenhum comentário:

Postar um comentário