segunda-feira, 31 de outubro de 2016

POEMA DE AMIZADE




Eu te  desejo braços envoltos em abraços, 
eu te desejo a poesia alada em versos brancos,
despreocupadas rimas acaso volitantes
e bem querer de fada.


Eu te desejo desenvoltura de dança,
se anelando a cada som instrumental
mas, sem amarras, teus cabelos soltos
no vai e vem de pensamentos alinhados,
nem se importando com algum fio despenteado...

Apenas a lisura colorida, 
e o solfejar cantoria de pássaros.

Eu te desejo a poesia viva
do sentimento e emoção nascida
de cada passo e luta vencida,
guerreira forte e bela que és!


Eu te desejo o degustar sabores 
nas coisas simples mais sutis da vida, 
paz de andorinha, pouso e guarida, 
e leves voos de borboleta, 
lua de sonhos e uma estrela -guia, 
de caminhar a tua autoria, 
maravilhosa amiga!






Maria das Graças Araújo Campos 
Graça Campos, 30/10/2016.
Dedicado a Neiva M Souza, minha amiga querida,
desde os tempos de meninas. 


sábado, 29 de outubro de 2016

CANTO DAS ÁGUAS


Canto da águas
Ele nasce suspirando música, soprando partituras
em gotas persistentes. 
Vem trazendo lembranças de encontros e abraços de mar,
assovios do vento em concertos. 
Observa os mitos, e, misticamente,
se mescla nos corpos da dança, das meninas “profanas”?
Irmanados em águas salgadas, partilham mistérios...
Doce e sal!


É o canto das águas que faz parceria e, na contradança,
acalanta e desliza seus sonhos meninos,
sereias cirandam.
Ele canta, encanta e conta histórias... 
Vai levando leveza de folhas, lamento de flores que, ao se despencarem, pedem, imploram que as deixem ali, 
pois, nascidas, que brotam no aconchego dos montes...

São caminhos que andam às vezes calados,
outras vezes em prantos cantados.
Às margens, surpresas, detalhes, natureza,
entalhes que o tempo artista esculpiu.
Belas verdes cabeleiras se debruçam
e, em sombras, se banham
Narcisas...
E as cantigas se ouvem ao longe,
notáveis cantoras,
benditas cachoeiras. 

Corre canto, traz risos banhistas,
refresca a alma, corredeira. 
E me ensina a cantar as cantigas da vida...

Maria das Graças Araújo Campos
Graça Campos, 28/10/2016

TAUTOGRAMA EM L


TAUTOGRAMA EM L
Livros
Lavras letras labaredas
Lampejos lúcidos loucos lavradores
Lavrando “levas” libertas lembranças
Leves lumes lanterneiros
Lanças limas louvam letreiros
Lençóis ladrilhados linguagem livre
Loureiros legados  laboriosos
Liames luzes locomovem
Literárias lapidações
Lareiras luminescentes
Livreiros linimentos
Lavrados lustres,
Lampadários
Libélulas lícitas levezas
Limiar
Linguístico
Louvado livro!    
Maria das Graças Araújo Campos. Tautograma em L
Graça Campos 29/10/2016

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Aldravia


beija
flor
asas
em
oásis




Aldravia
Maria Das Graças Araújo Campos
Graça Campos
Série "ASAS"
27/10/2016 Foto Graça Campos
Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

domingo, 23 de outubro de 2016

Elos do Tempo - A força das existências

BODAS DE ESMERALDAS

Elos do Tempo - A força das existências
Templo sagrado, encontros marcados,
Corações esculpindo planos,
Plenas prosas mudas,
Instigantes poemas em sopros sutis silenciam o tempo...
Veio manso, o vento Zéfiro, trajando “As Horas,” trazendo Flora, sussurrando o início de uma nova história. Recomeço de vidas, ora, em passos, lado a lado!
Faces de veludo, ares de querubins, afins! Entre laços e abraços, exalando em frascos, alma de flores, a burilar desejos, e a desfazer pejos.

Com fragrância de rosas, e “Rastro” aromático (Lavanda e pétalas), em devaneios, delineava os cílios longos salientando o brilho das pupilas em descobertas infalíveis.
Testemunhas de amadeirado olor se revezavam com o cashmere Bouquet dos anos 70.
Paisagem montanhosa, casarões, chão de poesia e serenatas, veleiros da alma.
Pelas frestas das janelas, o amor em versos - melodias.
Havia também um adro, mais parecia um tapete gramado, verde esmeralda, que ouvia e ria das primeiras conversas tímidas. Assim, entreolhares, de mãos dadas, selaram-se os sentimentos.
E as confissões de ar apaixonado eram ventania incontida.


Primavera há quatro décadas! A quatro mãos, plantamos nosso chão de caminhar...
À flor da adolescência e a desfrutar a juventude, embarcamos em nossos voos céleres, sonhos azuis.
Silêncio rotineiro, face a face, atenta à fala de dois corações, que, aos poucos, se deixam levar além dos compromissos. Alquimia. Elos pingentes, sinalizando à tez da sensibilidade, estranheza de mar em rebuliço, desvendando os segredos de amar, amar...
Passo a passo, tropeços e quedas, braços de navegar, mergulhando e buscando aportar.

Foto arquivo pessoal Graça Campos

A vida entre nós dois aconteceu! E acontece. E a gente jamais esquece. Foram e são lutas, surpresas, saudades, belezas, acertos e desacertos, sorte e bênçãos, os ciclos à moda “Estações”, reaprendendo dias frios de alma hibernada, dias festivos de risos e valsas, dias de recolhimento e preces intensificadas, dias esperançosos. Mas, alimentando os sentidos de ser e estar aqui, na certeza de que, se se cuida do amor, regando-o de esperança, tudo passa!
A natureza da persistência nos torna fortes a encontrar alegria e sabor sagrado do pão nosso de cada dia.
Nossas manias?
Olho no olho, diálogo, altos diálogos a perder de vistas, a qualquer hora.
Nossos tesouros?
Um Trio essencial, essência vital. Criaturas, além de belas, angelicais, meninas que cresceram e se transformaram em mulheres fortes, guerreiras incansáveis. Propositais. "Graças”, filhas bondosas. Três amores, Três “Flores”.
Quanto querer e se doar, passar às crias, e delas receber, o que de mais concreto há da existência tão abstrata! Amor, esperança e dignidade!
De mãos dadas, nós, os dois adolescentes, vencemos medos e exigências e preferimos ser apenas “Nós” simplesmente, dando passagem à maturidade.

Temos as marcas, nitidamente, fio por fio, das expressões, rugas explícitas, se se reparam grandes histórias, partes notórias, que não se percam e se revelem que o amor é a nossa glória!
Gratidão pela família unida, a maior dádiva divina!
Filhas amadas, adoráveis netos e genros queridos.
Elos, reencontros! Bênçãos!



E, o que há de mais encantamento em nossas vidas? Envelhecer, tendo alma de criança.
Mas, ainda somos jovens, meninas e meninos!

Somos avós de cinco maravilhas! Sermos avós, é mágico, é adoçar a convivência, e cutucar a memória afetiva, é suspirar dobrado. É ter o privilégio de ser pai e mãe com açúcar! E se atrever a dar cambalhotas, para arrancar o sorriso dos netinhos.
A vida nos permite a oportunidade de lições incontáveis. Sendo assim, cultivemos sempre os bons sentimentos e o amor seja nossa trilha...
Festejando com imensa alegria, as nossas Bodas de Esmeraldas. 40 anos de união, respeito, amizade, e amor!
Obrigada, Deus! Obrigada a todos os que desejam a nossa união e a felicidade!


Maria Das Graças Araújo Campos, Elos do Tempo A força das existências....
Out/2016

Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

domingo, 16 de outubro de 2016

LUA E SOL




Vem formosa e bela, lua clara,
natureza que não se compara,
acenando à luz amarela.


Vai e vem, Sol que arde e impera,
vem e vai aluada,
prateada donzela...
Vai e vem, sonho branco e dourado,
carregando suor e sorrisos,
a abraçar madrugadas sem ciso...
Aquarela, quimera, cadê meu juízo?



Vem formosa e bela, lua clara,
natureza que não se compara,
acenando à luz amarela.




Vai e vem, Sol que arde e impera,
vem e vai aluada,
prateada donzela...
Vai e vem, sonho branco e dourado,
carregando suor e sorrisos,
a abraçar madrugadas sem ciso...
Aquarela, quimera, cadê meu juízo?

Maria Das Graças Araújo Campos
Graça Campos, 15/10/2016.