segunda-feira, 21 de novembro de 2016

CONSCIÊNCIA NÃO TEM COR...



"Enquanto a cor da pele for mais importante que o brilho dos olhos, haverá guerra".
Bob Marley



Em minha pele, há um misto de cores, do preto ao branco, "parda", acastanhada, vermelha, amarelada? 
Desbotada, quando meus olhos anuviados perdem o brilho de enxergar a cor da aura e, incapazes, veem apenas o lado externo, carapaças do mundo, estilhaços de ignorância, pre/potentes, in/ conscientes.
Pois a cor dos pensamentos sem trapaças e tormentos é a que banha de saber ser, e, oportunamente, adentra, esmiuça tabus e reverte conhecimentos. É no batente, pelas andanças em sóis ardentes, em terras frias de moiras crentes, dias sombrios de mãos atadas, dores malditas, e sonhos bentos, que os pés firmes, fincam o solo da consequência, cavam desertos, limpam os olhos e a visão clarividente, vê finalmente, o colorido miscigenado nos esqueletos que restam da insensatez dos preconceitos.

Consciência não tem cor... Tem alma e sentimento, sabor de histórias, do princípio da vida, de onde se vem, e o que se é, para quê... Somos a soma do que fazemos! Somos todas as cores do mundo!

Imagem Fonte: Google

Maria das Graças Araújo Campos, 20/11/2016.

domingo, 20 de novembro de 2016

DANDARA... QUEM FOI? QUEM É?



São guerreiras que pulsam em mim,
sou eu, caçadora incessante,
é a voz veloz dos relâmpagos, faíscas de raios, 
e calor de sol, 
persistência de fênix,
chuva de desejos...
É o grito rouco da garganta se afinando,
perpetuando mantras, reforçando a crença, 
ecos em céus contornando montanhas,
vales e mares, rochas, nevoeiros,
canaviais, desertos e sertões
o tempo inteiro...

São mulheres "Dandaras",
meninas, meninas, em voos de águias, 
pios de corujas em corpos de borboletas
na voz dos Palmares, ares, ares...

Aventureiras guerreiras dos vendavais, 
construindo altares,
peregrinando saber
reformas de viver!

Se africana? 
Dandara.
Ou brasileira? 
Dandara.

De todo, a Mãe é Africa,
origem, 
descendência
afiliada da coragem
na face feminina dos quilombos...


Imagem do Gogle 


Maria das Graça Araújo Campos, 20/11/2016.


quarta-feira, 16 de novembro de 2016

ASAS...



Asas...
forças transparentes
aparente, frágeis...

sonhos indomáveis
companheiras afáveis,
de voos solenes,
fantasias de vozes clamantes
eternas  buscas...
 liberdade!





Graça Campos, 16/11/2016

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

PENSAMENTO...


Pensamento tem cor, forma, cheiro e peso.
Tem poder incrível e uma força magnânima,
se vibrante a luz que habita.

Graça Campos

Imagem do Google.

domingo, 6 de novembro de 2016

TAUTOGRAMA EM L II- HÁ 1 Ano - ROMPIMENTO DA BARRAGEM




HÁ 1 Ano - ROMPIMENTO DA BARRAGEM DO FUNDÃO em Mariana / MG



LÁBIOS latejam 

Leem lúgubres linhas lamentosas

Lamaceiro limo lamentos longe

Lapso 

Labirintos lama lama lamaceiro

Listagem leito lodaçal

Lousa lápide

Luto

Lares lambuzados

Lâmina lava lançada

Leva leva

Longa linhagem

Ladeira eira eira


Lábios latejam...



Maria Das Graças Araújo Campos-TAUTOGRAMA EM L II-
HÁ 1 Ano - ROMPIMENTO DA BARRAGEM
Graça Campos, 06/11/2016

... poesia com seu fôlego é movimento que narra...


Não raro, a poesia toma um ar cinzento, na verdade, captação do ser sensível que há dentro de nós. Poeta é quem sente e escreve sentimentos, a poesia está aí hoje, assim, acabrunhada, e amanhã ela escreve sol de alma lavada...
Há quem diga que poeta vive nas nuvens... Grande mérito!
Quem sabe, de lá, traz no verso, a transparência do verbo de modo mais sutil, a que olhares conturbados, impossibilitados de enxergar, inspirem-se em sopros de fé, e esperança, sem lamaceiros...
Obreiros dessas lavras, que se lavrem com exatidão, histórias detalhadas daqui, de lá, de todo lugar.
Enquanto houver quem faça e fale e escreva e ore, em temporal, seca, ou sombra, e uivo de vento, avalanches, naufrágios e tormentos, a poesia com seu fôlego é movimento que narra, descreve e argumenta, declama e encena todo o tempo...


Maria das Graças Araújo Campos
Graça Campos, 05/11/2016.