domingo, 23 de abril de 2017

LIVROS: Cordões em tessitura, estradas da memória...




LIVROS: Cordões em tessitura,  estradas da memória...


Livros, acima de amigos, guias, mestres mudos, onde embarques e desembarques reencontram sentidos, emoções, motivos de viagens  inusitadas de  saber aprimorado!
Alteram-se questões e atiçam buscas do viver e aprender! 
Alinham-se filtragens , composições e decomposições de conceitos, aceleram ideias, e tornam vivaz a vontade de ver além dos cumes, e cumeeiras, acendendo lâmpadas, remexendo memórias e criando cenários na abordagem desse universo de letras, imagens, documentários, e o sangue corre nas veias das lembranças, levando e trazendo histórias reais ou mesmo ficcionais.
Livros, janelas abertas, onde os ventos se arranjam em pensamentos moídos, remoídos, à frente de cada tempo,  sem se dar por vencidos em temporais e adventos...
Livros, alimentos, se bem escolhidos, argumentos que  se aninham como sementes, brotando vida, ressurgimento...
Livros têm asas, dão-nos asas,  tornam-nos pássaros que migram ao conhecimento...
Páginas de descobertas, alertas, sem trancas...  

Cordões em tessitura,  estradas da memória, onde os registros falam o que a mente e alma revelam... Silenciosos, driblam os gritos, as dores, as alegrias, os fatos e a proeza das vozes que calam, fazem pensar, agir, rever e reerguer nas entrelinhas, incontáveis fênix da vida!



Maria das Graças Araújo Campos. LIVROS: Cordões em tessitura,  estradas da memória...

Graça Campos/23/04/2017.







Origem da palavra Livro 
Uma espécie de papel primitivo era feito com essa membrana. Em inglês, “Book”, vem de  bok  de raiz germânica significa faia, uma árvore. Enfim, O termo "livro" nos remete, em várias línguas, a palavras relativas a árvores. Na maioria das línguas latinas (libro em espanhol e italiano, livre em francês) veio do latim liber, a fina camada fibrosa entre a casca e o tronco da árvore que, depois de seca, pode ser usada para escrever (e realmente era, num passado longínquo). Já nas línguas de origem anglo germânicas (book em inglês, Buch em alemão e boek em holandês) o termo advém de bokis, nome da árvore que hoje se chama beech em inglês, da qual se faziam tábuas onde eram escritas as runas, uma antiga forma de escrita da Europa do Norte.
Fonte Google






sábado, 22 de abril de 2017

Som das montanhas...




O som das montanhas convida-nos às notas musicais em cada vida: mineral, animal e vegetal à altura dos limites...  "LIBERDADE", sendo bicho, pedra, mata, águas...
Com tons e vozes singulares comunicam com o TODO e silenciam! Sabem ouvir respeitosamente o universo individual de cada ser natural...
Uma sinfonia envolta de respeito à morada de todos!

VIVA o respeito à Terra!


Maria Das Graças Araújo Campos
Graça Campos. O Som das Montanhas

Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

terça-feira, 4 de abril de 2017

PADRÃO DE BELEZA






Especialmente o corpo feminino é visto sob normas e formas ditadas, de acordo com cada época como convêm ou convinha à sociedade, ao consumismo. Na verdade, um pacote de regras rígidas, na maioria, frustrantes. O corpo feminino visto como instrumento e objeto.
E a originalidade, o sorriso, o caminhar exclusivo de cada idade? Felicidade?
Muito se estuda, comenta-se, manifesta-se, debate, acusa-se e defende-se sobre a mulher em sua história. Em alta, a exigência de respeito, de igualdade, conquistas desde tempos remotos, buscando por seus anseios.
Através de lutas constantes, sofrimentos gritantes, mulheres, ao longo dos séculos, vêm tentando ocupar, por direito, a decência e dignidade, reconstruindo e recriando autoestima, ocupação, produtividade, ação, conhecimento, aceitação, disciplina, liberdade e valor por mérito.
E a beleza? O que é ser belo (a)?
Bela questão de consciência, e de pontos de vista. Sendo assim, a minha liberdade de expressão denota que beleza é riso solto, alegria, originalidade, competência, talento, inteligência, autoconfiança, e respeito.
À beleza não cabe enquadrá-la em padrões que excluem e discriminam. Padronagens são perfeitamente cabíveis em coisas, objetos. Portanto, o belo é bem a cara da riqueza interior, do tom da fala, do som que se emite, do verbo que se cria na ação do pensamento e das ações concretas.
Em seu mais alto e livre padrão, acredito na beleza que reflete o brilho nos olhos, leveza em transparência e luz interior, que acende e ascende a vida...

TIM – TIM, À SAÚDE: física, mental e espiritual!
Hoje o estilo é a moda!
O charme fica por conta da liberdade.
A escolha é de cada qual.
O Feminino busca e rebusca os adornos para contornar o “Ser” Mulher da cabeça aos pés...
E, acima do gênero, a essência humana em foco: ser para SER!
Beleza é autenticidade e responsabilidade no vai vem das voltas que a vida dá...
Beleza é  renovar-se nos aprendizados, beber da fonte dos sonhos, ter coragem, fé e foco dia-a-dia nos embates das horas. Beleza é cada qual se respeitar , brilhar e  aceitar o brilho do outro. É cair, levantar, seguir, vestir a túnica do conhecimento e dar vida à vida.
Beleza é viver e não ter vergonha de ser feliz!

Maria das Graças Araújo Campos
Graça Campos29/03/2017

Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

quarta-feira, 22 de março de 2017

POESIA DE MINH'ALMA






Poesia de minh' alma,
Alma que fala e se cala no silêncio dos versos
que, armados de brinquedos, contém segredos ora revelados,
galopa na canção do vento, tons professos
enrosca no tempo onde a pá/ lavra por toda a eternidade!

Alma, lamento na folha que chora , no uivo da fome, e, vivaz,
sacode o lema da PAZ  
na lágrima da guerra,loucura íntima,
tenaz, explícita, capaz
de revelar na roda viva ,  
a dança do pensar em solidez
e doçura, veracidade,
formosura,
a força da fé, o murmúrio das ondas
onde os homens se perdem em braçadas, nas profundas águas   
entre o saber e a inconsequência, 
 no fogo do inferno interior e no Céu de Parnaso.

Poesia de minh’ alma, suspiros em preces nas flores vivas e murchas,
no fogoso riso da vermelhidão do signo,
na fria e branca névoa a encobrir véus da verdade ,
confissões de folhas em derradeiros suspiros das idades...
Poesia , alma que ascende e revigora a mente,
semente , recital,  e sons veementes ,
instrumento , arte, brinquedo sério...
Poesia leve, e pesada,em seu fardo,
declama, clama e canta o canto da garganta,
liberta voz, fonte e coragem   
A carregar do mundo, os sentimentos...




Maria das Graças Araújo Campos.  POESIA DE MINH’ALMA.
Graça Campos, 22/03/2017






terça-feira, 21 de março de 2017

DESENVOLTURA



Dance a dança do amor onde estiver
espalhe brilho e cor aonde for...
Leve consigo a leveza de pluma e, plena,
Abrace a paz...
Á / vida, asserena...

GraçaCampos,21/03/2017

sábado, 18 de março de 2017

Antologia "Mulheres pela Paz"/2017


PINTORES PARTICIPANTES na Antologia "Mulheres pela Paz"/2017
http://www.carmovasconcelos-feni
x.org/LOGOS/PAZ-2017/PAZ17-60.htm

sexta-feira, 10 de março de 2017

AFINAL...

.


Participação na Edição Especial REVISTA FÉNIX " MULHERES Pela PAZ 2017
Da Escritora Carmo Vasconcelos e Henrique Ramalho (Portugal)


AFINAL...


Há um desejo forte, jorro em labaredas

de afagar os veios latejantes de justiça,
causas tamanhas de valor bendito
ultrapassam gênero, sexo, idade e viço...



Há soluços por questões malditas, 
a provocarem indignação, se apressam
nas manchetes páginas primeiras...
Contextos...
Mulher ferida, morta sem ser morta, 
enquanto a vida passa a ser notícia...
Há um novo sol e lua sonhada
Quanta incerteza em se chegar ao “certo”
não somente por estar no feminino,
simplesmente pela vida e destino,
o grito rouco, grito agudo, da garganta, 
sem precisar ser grito...
Afinal, a paz, onde mora?
Onde há de ser vista?
Será despida?

Vestida da nudez e transparência
do sentimento que, por excelência,
a paz desnuda serena e respeitosa,
imperiosa, franca e bondosa
a que todo ser humano reconheça 
em cada face, novo recomeço...
Há um desejo forte, jorro em labaredas
de afagar os veios latejantes de justiça!
Ainda há tempo de encontrar a paz...
Maria das Graças Araújo Campos
Santo Antônio do Itambé / MG/ Brasil
www.gracacampos.blogspot.com.br
Embaixadora Universal da Paz pelo Círculo Universal dos Embaixadores da Paz - Cercle Universel des Ambassadeurs de la Paix - France & Genève Suisse.





Pintura de Jia Lu 
Imagem do Google.


Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

quinta-feira, 2 de março de 2017

ALÉM DA PAISAGEM...




Viver à vista da “Pedra Afiada,”
ver além de avistar estrada,
campos, cascatas, águas encantadas...

Exercitar a visão e enxergar alturas
com parâmetros ousados, maiores que admirar,
muito além de olhar para cima...
Muito mais que aventuras, são conquistas qualificadas
Em conjunto, corpo e alma, treinando o amanhecer
dos dias enevoados sem usura, sem pudor, desnudar a mente,
conservando a compostura,  do bem à semente...
Plantar, colher nas alvuras das paisagens,
a magia do Espinhaço, pedaços de Mata Atlântica,
esplendorosa, rica natureza em diversidade.
Ouço a voz do majestoso, que, no embalo da vivência, clama:
Ai, consciência!
Pedras- leitos, rios de sentidos, arcaicos sons, em coro,
Inusitados tons, aos ouvidos, cantam origens idas e vindouras...

Águas-cancioneiros!
Vida, seleiro de poesias em prece- grito -silêncio,
brotando lavoisieras...
Meu coração em quimeras vai pintando poema-flor,
em versos de aurora, afins...
Quero a beleza das cenas, ver crescerem sonhos-lemas
em tradições de valores!
Quanta vida em nossas mãos! Vida humana, vida- flores,
Vida além dos precursores, com respeito e simbolismo,
IKEBANAS...

A montanha ecoa: Consciência, por favor, a quem pise esse chão,
“Itambeano”...
A resposta somos nós: Superação,
Preservação, Contemplação,
Gratidão!




Maria das Graças Araújo Campos.
Graça Campos, Santo Antônio do Itambé/MG/ Brasil
01/03/2017

  


Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

ARTE E VIDA FELIZ!


Arte e Vida agradece aos visitantes e seguidores!

Hoje completando 111.000 visualizações .


segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

APLAUSOS e "APLAUSOS"


Rituais fazem parte do comportamento humano. No entanto, o que mais fortalece qualquer atividade ou obra exposta, acredito ser uma pequena gota de felicidade pelo ato criativo e corajoso de se mostrar e romper barreiras, quiçá, timidez recolhida, que soube bater asas e ganhar seu próprio espaço no "mundo"...
Mostra consciente merece aplausos, se espontâneos, que maravilha! São boas e bem-vindas energias do universo de cada qual.
Aplausos, se falsos, ganham ecos falidos, ou tão curtos que se perdem aos ouvidos o quanto antes. O que fica da expectativa de algum reconhecimento é a força da vida no caminhar, na busca do novo, na ânsia das descobertas e de um novo ritmo que não seja enfadonho, mas sincero em compassos harmônicos, saudando uma palma, que seja, um aplauso, aquele do brilho do olhar de quem vê com os olhos da alma e sabe despertar no outro, a vontade de ter a parceria do bem-quer...



Maria das Graças Araújo Campos

Graça Campos Inspirada no texto Falsos Aplausos
Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.