quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Na terra das azaleias... Aniversário de São Paulo



 Mercado Municipal - São Paulo - SP


 Pico do Jaraguá , o ponto mais alto de São Paulo




Antes de conhecê-la, não imaginava a admiração que teria a partir desse primeiro encontro com a Terra dos Bandeirantes, Terra da Garoa, a “Selva de pedras” que conquistou meu coração.
Segundo pesquisas atuais, é a cidade onde a ansiedade é exacerbada. Mas, também, a beleza, cultura, grandeza, onde a arte pulula intensamente.
Terra das azaleias, terra de imigrantes, a mundialmente conhecida Sampa é um espaço do mundo em que a diversidade cultural abrange opções e escolhas.
É viva e relevante a presença dos nativos da terra (na linguagem primeira) pronunciada a cada segundo, na língua tupi-guarani nomeando ruas, bairros, praças, parques, rodovias, enfim, os paulistanos, visitantes, turistas, em geral, revivem as origens da terra, através das palavras da língua nativa de seus primeiros habitantes, começando pelo topo mais elevado da cidade, o Pico do Jaraguá, arte divina.
Daí uma série de nomes indígenas preservam a história da comunicação e de uma civilização.
Alguns deles: Ibirapuera, Morumbi, Mooca, Pacaembu, Anhangabaú, Tietê, Anhanguera, Tatuapé, Ipiranga, Jaçanã dentre outros...
Apelidada “cidade que não dorme”, também vive acesa a presença das artes sem dúvida, espetacular em suas diversas áreas nos teatros, galerias, museus, bares, ruas e avenidas.
O Monumento às Bandeiras, (Parque Ibirapuera), é um dos maiores do mundo. Ali, o escultor expressa em pedras, o drama dos índios aprisionados pelos bandeirantes nos sertões do Brasil. Homenagem aos desbravadores do século XVII e XVIII.
As figuras representam as etnias da formação do povo paulista, e, dentre elas, a figura do próprio escultor ítalo- brasileiro,Victor Brecheret.
No Mercado Municipal, os vitrais criados por Conrado Sorgenicht retratam cenas da vida no campo. Cenas do cotidiano da vida no campo na década de 30. Plantação de café. Agricultores trabalhando na lavoura. A colheita e o transporte de bananas. Boiadeiro conduzindo a manada de bois através do rio. Todos os vitrais inspirado em fotografias em suas andanças pelas fazendas, juntamente com seu pai que troxera a tecnica das pinturas da Alemanha.
Mesclada à paisagem urbana, o colorido da natureza exuberante no paisagismo interessante, escolhida uma flor apenas,para simbolizar a cidade, a graciosidade e a beleza em tom rosa, as azaleias da flora paulistana.
Resistente assim como o trabalhador da terra, ela suporta o calor e o frio, a garoa, a luta , os sonhos e a coragem da vida!
Feliz aniversário, terra boa! Parabéns, SAMPA!
Maria das Graças Araújo Campos SAMPA

G Graça Campos Araújo Campos

Nenhum comentário:

Postar um comentário