quinta-feira, 25 de maio de 2017

Canta, pois a cantoria é prece!


Canta, pois a cantoria é prece!
Chora, que lava a alma!
Enxuga o pranto com a esperança de novo tempo...
Deus é misericordioso, e tudo nos será dado por acréscimo!
Sim!  Pelo plantio e colheita! Essa última é certa!



Maria das Graças Araújo Campos, 25/05/2017.
Graça Campos em resposta a RV.


Imagem do Google.

Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

sábado, 13 de maio de 2017

ELAS são ELOS que me enlaçam e tecem amor por aí afora...



ELAS são ELOS que me enlaçam e tecem  amor por aí afora...

Ser Mãe é sentir o coração multiplicar batidas dentro e fora do peito,
É mover a vida em amplo sentido da coragem,
Unir forças vitais, sonhos capitais, e desejar profundamente o bem!

Ser Mãe é encher-se de orgulho, quando vê a luta diária dos filhos
e suas conquistas com toda garra e honestidade!
É rir, chorar, sofrer e se alegrar por tudo que se diz respeito às crias...
É observar e aplaudir seus voos,
depois , tudo se aninha no coração das mães  mesmo à distância...
Ser Mãe de três amores é colheita de “Flores” ETERNAMENTE!
ELAS são ELOS que me enlaçam e tecem  amor por aí afora..

Aos amores, flores meninas de meu coração e ventre,
Hoje, mais belas guerreiras, mulheres  maravilhosas, e mães amorosas!

Maria das Graças Araújo Campos. 
ELAS são ELOS que me enlaçam e tecem  amor por aí afora...
Graça Campos, 13/05/2017.


Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Serro, de minhas raízes...


Serro, de minhas raízes, onde vivi toda a infância e adolescência cercada de montanhas, 
de fé e riqueza humana que fazem parte do “acervo memorial” de um torrão que me encanta. 
Alto Azul do Espinhaço.
Pintura a óleo: Serro, Igreja e Museu 

Artista plástica: Graça Campos 

Nasci em terras que acolhem meu universo!


Nasci em terras que acolhem meu universo!
E a cada dia em outros espaços,
Renascendo, sou do mundo...
Graça Campos


Maria Das Graças Araújo Campos: Artista plástica, poetisa, professora de Língua Portuguesa e Língua Inglesa. Revisora de textos em Língua Portuguesa...

terça-feira, 9 de maio de 2017

ELAS, LAVOISIERAS BELAS...



ELAS, LAVOISIERAS BELAS...

Olhares ficam enfeitiçados , oh, cerrados...
Meninas damas, belas e faceiras,
Delírio dos prados,  solos mineiros!
Vestidas  ao vento, desnudam  pensamentos,
dançam   valsas azuis e levam às alturas,
montanhas de sonhos...
 Delicados buquês,  leves criaturas,
benditas flores do cerrado,
Quimeras...
Elas, Lavoisieras  Belas...


Maria das Graças Araújo Campos. Elas, Lavoisieras Belas...

Graça Campos /2017





Poema e pintura, Da Série FLORES DO CERRADO. Maria das Graças Araújo Campos. Graça Campos.
Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

terça-feira, 2 de maio de 2017

Inesquecível prosa com papyrus.



Sei que a palavra vem, sei que o tempo se abre e a paisagem é rica de histórias. Assim, exalando silêncio, elas me calam. Apenas dedos de prosa entre olhares...
Lembranças do Nilo, Egito. Atrai-me pela formosura, a planta sagrada! Imponentes papiros de tom verde que renova! Acaso não existe, e o percurso comprova.
Importantes e belas precursoras dos papéis de agora...
Curiosos momentos em que a sina é ser mina, contemplando as “Minas” de meus sonhos.
Bem ali, no miolo das artes confiro, admiro, registro o que da fonte banha-me a fronte...
Reaprendo fabuloso passado, adentro a cronologia dos “Morros Gelados” e me encanto com imagens que remontam séculos.
Precioso encontro entre folhas ao vento, inspirando formas e respirando recantos da cidade-mãe, que, volta e meia, envolve a alma da gente de sentimentos leves, mas sempre reflexivos nos caminhos reais e na composição de sua contribuição ao país e ao mundo!
Papyrus se mesclam à obra do grande Mestre Valentim, “Garças de Mestre Valentim”, ou “Aves Pernaltas”, escadas esculpidas em pedra sabão, logo à entrada de casarões lembram o toque artístico, mãos e ombros esfolados de trabalhadores escravos, artistas anônimos. Da música ali, também mudo, espia o piano secular... Dos filhos das serranias, a família, a imprensa, engenharia...
Enfim, contempla-se das altas varandas do solar, mais solares de arquitetura colonial, palco e das arquibancadas do saber de um povo.
Revejo os jardins internos alusivos à infância em geral. Destacam-se lá, os belos e elegantes papiros insinuantes! E nós continuamos em pensamento, interessante conversa.
Sei que o tempo se abre e a paisagem é rica de histórias! Inesquecível prosa com Papyrus...


Maria Das Graças Araújo Campos. Inesquecível prosa com papyrus.


Graça Campos. 30/04/2017.
Lincença Criative Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.

Padrão de Beleza


Especialmente o corpo feminino é visto sob normas e formas ditadas, de acordo com cada época como convêm ou convinha à sociedade, ao consumismo. Na verdade, um pacote de regras rígidas, na maioria, frustrantes. O corpo feminino visto como instrumento e objeto.
E a originalidade, o sorriso, o caminhar exclusivo de cada idade? Felicidade?
Muito se estuda, comenta-se, manifesta-se, debate, acusa-se e defende-se sobre a mulher em sua história. Em alta, a exigência de respeito, de igualdade, conquistas desde tempos remotos, buscando por seus anseios.
Através de lutas constantes, sofrimentos gritantes, mulheres, ao longo dos séculos, vêm tentando ocupar, por direito, a decência e dignidade, reconstruindo e recriando autoestima, ocupação, produtividade, ação, conhecimento, aceitação, disciplina, liberdade e valor por mérito.
E a beleza? O que é ser belo (a)?
Bela questão de consciência, e de pontos de vista. Sendo assim, a minha liberdade de expressão denota que beleza é riso solto, alegria, originalidade, competência, talento, inteligência, autoconfiança, e respeito.
À beleza não cabe enquadrá-la em padrões que excluem e discriminam. Padronagens são perfeitamente cabíveis em coisas, objetos. Portanto, o belo é bem a cara da riqueza interior, do tom da fala, do som que se emite, do verbo que se cria na ação do pensamento e das ações concretas.
Em seu mais alto e livre padrão, acredito na beleza que reflete o brilho nos olhos, leveza em transparência e luz interior, que acende e ascende a vida...
TIM – TIM, À SAÚDE: física, mental e espiritual!
Hoje o estilo é a moda!
O charme fica por conta da liberdade.
A escolha é de cada qual.
O Feminino busca e rebusca os adornos para contornar o “Ser” Mulher da cabeça aos pés...
E, acima do gênero, a essência humana em foco: ser para SER!
Beleza é autenticidade e responsabilidade no vai vem das voltas que a vida dá...
Beleza é renovar-se nos aprendizados, beber da fonte dos sonhos, ter coragem, fé e foco dia-a-dia nos embates das horas. Beleza é cada qual se respeitar , brilhar e aceitar o brilho do outro. É cair, levantar, seguir, vestir a túnica do conhecimento e dar vida à vida.
Beleza é viver e não ter vergonha de ser feliz!



Maria das Graças Araújo Campos. Padrão de Beleza.